Bons argumentos para negociar mensalidade escolar

Após um 2003 marcado pela queda na renda da população, pode ser difícil encarar o aumento das mensalidades escolares em 2004. Assim, quem tem filhos em escola particular deve começar a preparar o bolso. Ou o gogó, porque a alternativa é negociar. ?O brasileiro tem mania de pedir desconto?, brinca o presidente do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado de São Paulo (Sieeesp), José Augusto de Mattos Lourenço.Não é só para a necessidade de satisfazer as ?manias? dos brasileiros, porém, que as escolas particulares estão atentas. De 1996 a 2002, o número de estabelecimentos de ensino cresceu 16% só no Estado de São Paulo e, com o aumento da concorrência, ninguém quer se arriscar a perder alunos. Por isso, as escolas andam mais dispostas a oferecer vantagens.Para ter acesso a algum tipo de benefício, porém, é preciso ir atrás deles. O primeiro passo, aconselha o advogado Josué Rios, é conversar. ?Marcar uma reunião com a diretoria da escola é uma boa maneira de o consumidor expor suas dificuldades?, diz.Motivos justosAlguns argumentos podem ser usados na hora de se pedir desconto. Quem estuda há muito tempo na mesma escola, por exemplo, tem mais chances. Pais que mantêm mais de um filho matriculado no mesmo estabelecimento também podem ganhar um abatimento ? o que já é regra em muitas escolas.Quem sempre pagou as mensalidades em dia também pode contar com vantagens na hora de renovar a matrícula. Comprovar as dificuldades financeiras da família, levando à escola documentos que comprovem a renda mensal, é outra atitude que pode gerar bons resultados.?A escola não é obrigada a dar desconto, mas, se os pais mostram que têm a intenção de manter os filhos matriculados por muito tempo, a escola certamente vai analisar o caso?, alerta a advogada do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), Maíra Feltrin.Média de 15%A presidente da Associação de Pais e Alunos das Escolas do Estado de São Paulo (Apaesp), Hebe Tolosa, lembra que, no valor da anuidade, deve ser incluído também o valor de matrícula e rematrícula. O total deve ser dividido em, pelo menos, 12 parcelas iguais. Negociar um prazo maior para o pagamento das parcelas pode, assim, ser outra boa saída para quem anda com o orçamento apertado.O presidente do Sieeesp diz que o aumento médio das mensalidades para 2004 tem ficado por volta dos 15%. Alguns estabelecimentos estão relutando na hora de mandar os novos boletos de cobrança para os pais. É que elas esperam que o governo promova alguma mudança na medida provisória que aumentou a Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins) de 3% para 7,6%.O aumento da Cofins vai afetar todos os setores, mas, no caso da indústria e do comércio, a alta poderá ser repassada para os consumidores de forma diluída, durante o ano. No caso das escolas, porém, um eventual repasse teria de ser feito de uma só vez, porque a lei estipula que as mensalidades só podem ser reajustadas uma vez por ano. Dessa forma, o reajuste das mensalidades, em alguns casos, poderá ultrapassar os 20%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.