Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Bolsonaro diz que vai fiscalizar prova do Enem antes de aplicação

Presidente eleito quer evitar temas polêmicos e a disseminação da 'ideologia de gênero'. Hoje, prova só é acessada previamente pelo Inep

Fernanda Nunes, O Estado de S.Paulo

09 Novembro 2018 | 21h04

RIO - O governo federal vai querer conhecer previamente as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) a partir do ano que vem para evitar temas polêmicos, principalmente a disseminação da "ideologia de gênero", disse o presidente da República eleito, Jair Bolsonaro (PSL), durante a transmissão de cerca de 40 minutos feita nas redes sociais. 

"No Enem do ano que vem, pode ter certeza, fique tranquilo, não vai ter pressão dessa forma no ano que vem. Nós vamos tomar conhecimento da prova antes. Vão ter perguntas sobre Geografia, dissertação sobre História, questões voltadas ao que interessa ao futuro da nossa geração, do nosso Brasil", disse Bolsonaro, ao comentar uma das questões que tratou do pajubá, dialeto secreto de LGBTs.

Hoje, nem o presidente da República nem o ministro da Educação têm acesso à prova previamente. O material só é acessado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), responsável pela aplicação do exame. 

Durante a transmissão, Bolsonaro tratou transgêneros de "aquelas pessoas" e disse que essa é uma questão "menor" para o País. Segundo o presidente eleito, "quem ensina sexo (para as crianças e adolescentes) é papai ou mamãe". Para demonstrar que o Brasil é conservador, disse que escolherá para o ministério da Educação alguém "com autoridade". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.