Boletins comparam escolas com mesmo nível socioeconômico

Nova classificação considera renda indireta e escolaridade dos pais; MEC quer esse critério em todas as avaliações

Paulo Saldaña , O Estado de S. Paulo

29 Novembro 2014 | 03h00

BRASÍLIA - As escolas passaram a receber boletins de desempenho na Prova Brasil com a contextualização de dados e também com mais detalhes pedagógicos sobre o que significam as notas médias. O Estado teve acesso nesta semana ao novo documento que o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) começou a encaminhar nesta sexta-feira, 28, para as unidades escolares.

A partir de agora, as instituições serão classificadas em níveis socioeconômicos. São sete ao todo, calculados a partir da renda indireta dos alunos (com perguntas, por exemplo, sobre bens familiares) e escolaridade dos pais. Com a classificação socioeconômica, o Inep apresenta os resultados da escola e também um quadro de comparação com o Brasil e outras redes, como já ocorria, mas também com colégios similares. Esses grupos de escolas são definidos tanto pelo nível socioeconômico quanto pela rede e região.

Vários especialistas em educação reclamavam que os dados de desempenho, como o Ideb e a Prova Brasil, não levam em consideração a diferença de perfil de alunos ao comparar todos de uma única forma. O maior responsável pela contextualização dos dados é o presidente do Inep, Francisco Soares, que promete esses critérios para todas as avaliações do Ministério da Educação (MEC). “A comparação é fundamental, mas devo comparar a escola que trate com alunos parecidos”, diz ele. “A pobreza não define, não é destino, mas é um fator no resultado. Precisamos saber por que escolas parecidas têm sucesso e outras, não.”

Risco. O professor da USP Ocimar Alavarse entende que é importante saber as diferenças socioeconômicas, mas teme por um reflexo negativo. “Pode ter o risco de fazer com que as escolas joguem a toalha ao ser classificada em níveis muito baixos”, afirmou. Segundo dados obtidos pelo Estado, a maioria da escolas (61%) está nos níveis 4 e 5 - de uma escala de grupos que vai de 1 a 7.

O Inep também organizou no documento de devolução da escola o porcentual de professores com formação adequada. Mas, segundo Soares, o segundo aspecto mais importante é que o novo documento traz uma explicação mais detalhada sobre o que provavelmente o estudante sabe, de acordo com as notas alcançadas.

São correlações entre as pontuações e os itens da Prova Brasil. “Estamos preocupados com essas duas dimensões, da contextualização e da explicação. Isso é um avanço, mas ainda será difícil para as escolas conseguirem fazer a vinculação com o trabalho na aula”, disse Francisco Soares.

Portal. O instituto trabalha para criar um portal em que será possível colocar a nota e visualizar os itens, além de ter acesso a uma explicação sobre os níveis.


Mais conteúdo sobre:
Prova Brasil educação Inep

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.