Reprodução
Reprodução

Bilhete com mensagem racista e xenófoba é deixado em banheiro da UFC

Universidade repudiou a manifestação e afirmou ser uma das instituições que mais acolhem estudantes estrangeiros

Felipe Cordeiro, O Estado de S.Paulo

18 Maio 2018 | 23h40

SÃO PAULO - Um bilhete anônimo com conteúdo racista e xenófobo foi encontrado em um banheiro do Centro de Humanidades da Universidade Federal do Ceará (UFC), em Fortaleza, na sexta-feira passada, 11.

+++ Cásper Líbero demite professor após comentários racistas em aula

"Esses africanos devem sair dessa universidade. Essa gente só dá despesa para a UFC", diz um trecho da mensagem, que cita ainda "gente fedida e burra". "Fora, africanos, venezuelanos e todo o lixo que contamina a UFC", afirma o texto.

+++ Estudantes do Mackenzie denunciam caso de racismo na universidade

A UFC repudiou, em nota publicada nesta sexta-feira, 18, o conteúdo do bilhete e disse que a mensagem está na "contramão da história". "Sua ação foi torpe e covarde, merecendo a condenação de todos os que fazem esta universidade inclusiva e agregadora", disse a instituição em texto assinado pelo reitor Henry de Holanda Campos.

+++ FGV suspende aluno por 3 meses após ofensa racista

"A própria condição de anonimato, na qual se refugiou o autor da mensagem, expressa, por um lado, covardia, e por outro, a convicção de que suas palavras maldosas não ecoam em nossa instituição, que se fundamenta em princípios éticos inarredáveis e numa defesa intransigente dos valores humanistas", declarou a UFC.

A universidade destacou ainda sua "política inclusiva" e afirmou ser uma das instituições brasileiras que mais acolhem estudantes estrangeiros.

"Muito nos orgulha ter em nossos câmpus jovens de diversos países, que aqui absorvem conhecimentos, ao mesmo tempo em que enriquecem o ambiente acadêmico através dos aportes culturais que nos trazem", disse. "A crescente presença de estudantes estrangeiros, das mais diversas origens, é vista como um resultado exitoso da nossa política de abrir portas e lançar pontes para o mundo globalizado." 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.