Constança Rezende/Estadão
Constança Rezende/Estadão

Bebê de três meses acompanha a mãe no Enem

Na inscrição, candidata informou estar amamentando por isso pode ser acompanhada pela bebê e seu marido

Constança Rezende e Leonardo Augusto, O Estado de S. Paulo

12 Novembro 2017 | 18h48

RIO - A recém-nascida Alice tem três meses, mas foi neste domingo, 12, fazer o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) com a sua mãe. Elane Souza, 39, foi com o bebê de colo e o marido fazer a segunda fase da prova, na faculdade Estácio, no Rio Comprido, na zona norte do Rio. 

Os três conseguiram entrar juntos na prova porque, na inscrição, Elane disse que estava amamentando. Seu marido, Marcelo Lago, de 37, entrou junto com as duas e ficou com Alice numa sala reservada ao lado da prova. Antes de dar o sinal do início do exame, às 13h30, Elane amamentou e entregou Alice para o pai. 

"Para mim, foi complicada a questão da distância porque a gente nunca tinha ficado  tanto tempo longe assim uma da outra. Mas sabendo que ela tava com o pai eu fiquei bem. A gente combinou que, se precisasse amamentar, ele seria chamado e traria a Alice, mas não precisou", disse a mãe.

O pai contou que a bebê  chorou, mas logo ficou tranquila. "Nos botaram em uma sala com ar condicionado, com toda uma estrutura. É legal dar esse apoio e incentivar outras mães que também querem tentar e não sabem que isso é permitido", disse o marido. Elane fez o Enem para tentar entrar no curso de Pedagogia. "Quero entender do assunto para ser uma mãe empreendedora. Sei como é difícil trabalhar e ser mãe ao mesmo tempo", disse.

Atendimento médico. Em Belo Horizonte, uma candidata grávida de oito meses passou mal durante a prova e teve que ser socorrida pelos bombeiros para a Maternidade Odete Valadares, na Região Oeste da cidade.

A estudante, Marina Martins, de 25 anos, ligou para o namorado, Igor Teixeira, de 20 anos, quando já estava fora da sala, dizendo que estava passando mal. "Aí uma funcionária da escola pegou o telefone e disse que já havia chamado a ambulância. Meu coração veio na boca. Fiquei muito nervoso", disse Igor, já na maternidade.

Marina é babá e pretende fazer vestibular para gastronomia. "Estava tudo normal. Não havia nenhuma recomendação médica para que não fizesse a prova", disse o namorado de Marina.

Segundo Igor, nos últimos dias, apesar da preparação para as provas, a candidata não vinha se submetendo a nenhuma rotina mais longa de estudos. Depois de consulta, Marina foi colocada em observação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.