Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Bastidores: Prefeitura de SP já considera improvável volta às aulas este ano

A resistência de Bruno Covas em reabrir as escolas causou divergência entre auxiliares do prefeito e do governador João Doria, que reclamam da falta de alinhamento entre os dois tucanos

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

21 de agosto de 2020 | 05h00

A Prefeitura de São Paulo considera improvável a volta das aulas presenciais nas escolas públicas e privadas ainda este ano. A avaliação de auxiliares do prefeito Bruno Covas (PSDB) é de que os dados do inquérito sorológico feito pelo Município entre 6 e 10 de agosto, que mostrou alta taxa de crianças assintomáticas na cidade, apontam que seria arriscado a retomada, ainda que seguindo protocolos sanitários.

Covas já descartou publicamente a volta das aulas em setembro, mas vai esperar o resultado das próximas três etapas do inquérito, que serão feitas também na rede privada, para tomar uma decisão definitiva. 

O vice-governador, Rodrigo Garcia (DEM), reiterou na quinta-feira, 20, que as 645 prefeituras de São Paulo terão autonomia para decidir se vão ou não acompanhar o cronograma previsto pelo Estado para o retorno presencial.

A Secretaria Estadual de Educação autorizou a abertura gradual das escolas nas cidades que estão na fase amarela do Plano São Paulo em duas datas distintas. A partir do dia 8 de setembro, a retomada atenderia alunos com mais dificuldade de aprendizado em atividades de reforço. A retomada efetiva, mas ainda gradual e restrita, é prevista para 7 de outubro

A resistência de Bruno Covas em reabrir as escolas causou divergência entre auxiliares do prefeito e do governador João Doria (PSDB), que reclamam da falta de alinhamento entre os dois tucanos. Covas tem adotado uma postura mais cautelosa em relação à abertura do que Doria. No Palácio dos Bandeirantes, prevalece a tese que as escolas deveriam reabrir e caberia às famílias definir quem volta ou não. Auxiliares do governador e do prefeito tiveram momentos tensos nos bastidores.

A pesquisa da Universidade Harvard divulgada na quinta-feira, 20, - que sugere carga viral maior entre as crianças e risco maior de transmissão - reforçou na Prefeitura o ceticismo em relação a volta às aulas em 2020.

Na discussão sobre reabertura, o prefeito tem resistido às pressões, apesar de ser candidato à reeleição e a situação envolver eventual custo eleitoral. Segundo aliados, o fato de Covas ter sido infectado pelo novo coronavírus e lutar contra um câncer reforçou o conceito de que é necessário priorizar a questão sanitária a qualquer custo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.