Banco rescindiu contrato com empresa

Além da Anhanguera, pelos menos 14 empresas têm contratos firmados com a Dacala, empresa de segurança privada cujo proprietário, David dos Santos Araújo, é acusado pelo Ministério Público Federal de envolvimento na tortura e morte do líder sindical Joaquim Alencar de Seixas.

Cristiane Nascimento, especial para Estadão.edu,

15 Maio 2012 | 18h49

Procurado pelo Estado, o Itaú Unibanco, que estava listado pela Dacala como um dos seus clientes, afirmou ter rescindido o contrato com a empresa no final do mês passado. O banco alegou que, apesar de adotar um criterioso processo de análise das empresas contratadas, não havia, na época da formalização do acordo, "qualquer apontamento formal aos sócios da empresa que remetesse aos fatos atualmente discutidos".

 

A Jac Motors e o Santander confirmaram utilizar os serviços prestados pela Dacala. Representantes de ambas as empresas, no entanto, disseram desconhecer a ação movida pelo MPF contra o proprietário da empresa. O Santander acrescentou que "tomará as devidas providências, se necessário".

Mais conteúdo sobre:
torturadacalaItau

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.