Baixa adesão leva Apeoesp a suspender greve após um dia

Secretaria diz que 1% dos professores aderiram ao movimento; sindicato fala em 30% de apoio

Simone Iwasso, de O Estado de S. Paulo,

03 Junho 2009 | 20h15

Por causa da baixa adesão dos professores da rede estadual de São Paulo no primeiro dia da greve promovida pelo sindicato da categoria (Apeoesp), a entidade suspendeu, nesta tarde, a paralisação. A decisão foi votada em uma reunião conturbada, realizada em frente à Assembleia Legislativa.

 

Um grupo de docentes que defendia a manutenção da greve ameaçou invadir o prédio. Uma bomba foi lançada e a Força Tática da Polícia Militar entrou em confronto com os manifestantes.

 

Segundo a Secretaria de Estado da Educação, cerca de 1% dos professores da rede aderiram ao movimento. Para a Apeoesp, foram cerca de 30% - número ainda abaixo do esperado pela direção do sindicato. No ato realizado em frente à Assembleia, havia mil professores, de acordo com a PM. Eles marcaram uma nova reunião para o próximo dia 16.

 

No plenário, o secretário Paulo Renato Souza debateu com deputados e representantes dos professores os projetos de lei para a carreira do magistério. O governo quer alterar os contratos dos temporários e criar uma escola de formação, com uma prova final obrigatória para os aprovados em concurso público. Outro projeto cria 50 mil vagas na rede e abre concurso para preencher 10 mil já existentes.

 

O principal ponto de discórdia entre governo e sindicato é a criação de uma prova anual para atribuição de aulas dos professores temporários. Quem não for aprovado ficará na rede, numa carga horária reduzida e em atividades fora da sala de aula.

 

Outra reclamação é quanto à criação de uma quarentena para esses docentes. Pelo projeto, eles poderão ter um contrato de até dois anos e deverão ficar 200 dias fora da rede (equivalentes a um ano letivo). O projeto original do governo previa um prazo menor, de um ano. A extensão do tempo foi enviada anteontem pelo governador José Serra (PSDB) como um aditivo ao texto.

Mais conteúdo sobre:
apeoesp educação

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.