Bahia e Tocantins disputam liderança de fraudes

A Bahia rivaliza com o Tocantins na disputa do Estado campeão em fraudes com recursos do Fundef. Na última edição do Programa de Fiscalização a partir de sorteios públicos, o município de São Francisco do Conde apresentou o maior número e as mais graves irregularidades.Entre os absurdos encontrados, a prefeitura comprou 5 toneladas de elásticos para dinheiro. Os fiscais constataram que a compra foi superdimensionada e os elásticos nunca foram entregues. Em dez meses, a prefeitura também comprou 36 mil pincéis atômicos, no valor total de R$ 17,3 mil, quando o consumo não chega a 1.200 unidades por ano.Em Alto Alegre do Pindaré, também na Bahia, a prefeitura apresentou as notas de construção de uma escola com duas salas de aula no povoado de Boneca Queimada, pela empresa VCR, no valor de R$ 92 mil. Só que no povoado não há escola construída pela prefeitura. A escola municipal funciona precariamente num barracão cedido pela Igreja Católica.A prefeitura de Malhada de Pedras (BA), utilizou, durante três anos, notas fiscais frias, no valor total de R$ 100 mil, para comprovar despesas com recursos do fundo. Consultadas pelos fiscais, as 12 empresas apontadas como fornecedoras de produtos asseguraram que nunca realizaram tais negócios.A prefeitura gastou ainda R$ 610 mil no pagamento de salários de 209 pessoas que nem sequer têm vínculo com o magistério do município. leia também Só R$ 1 em cada R$ 4 do Fundef é aplicado corretamente Até agora, só 34 prefeitos foram punidos Conselhos viciados não fiscalizam prefeituras MP, CGU, tribunais de contas e Câmara fazem investigações Como deve ser aplicado o Fundef

Agencia Estado,

12 de abril de 2004 | 13h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.