Julinho do Carmo/Divulgação
Julinho do Carmo/Divulgação

Audiência decide se Geisy ganha indenização milionária da Uniban

Ex-aluna do curso de Turismo reencontra nesta quinta-feira advogados da universidade; famosa depois de incidente, ela diz não estar namorando

Carolina Stanisci, Especial para o Estadão.edu

30 Junho 2010 | 15h32

Nesta quinta-feira, Geisy Arruda e os advogados da Universidade Bandeirantes (Uniban) vão se reencontrar. A ex-aluna da instituição em São Bernardo do Campo, que causou alvoroço por estar trajando um vestido vermelho bem curto em 22 de outubro do ano passado, vai participar da primeira audiência, na Justiça, para decidir sobre a indenização milionária que pede à instituição.

 

Geisy está esperançosa: "Estou ansiosa, mas bastante confiante. Tenho a verdade do meu lado". Seu advogado, Nehemias Domingos de Melo, está certo da vitória. "Espero que o juiz julgue a ação procedente", diz. A ação movida em dezembro do ano passado pede R$ 1 milhão de indenização por danos morais à Uniban.

 

Segundo o advogado, a universidade foi omissa ao responder pela segurança da aluna, no dia em que ela foi hostilizada por mais de uma centena de alunos. Além do mais, a Uniban a expulsou, sendo que Geisy teria sido uma vítima, explica Melo.

"Eles (Uniban) tinham obrigação de oferecer lugar seguro, sem riscos físicos e psíquicos para quem o frequenta", afirma Melo, para quem o caso pode abrir um precedente em universidades brasileiras. "Foi como um bullying."

 

A ex-aluna do curso de Turismo conta que, nos últimos meses, não quis estudar mais, apesar de seu advogado ter conseguido com que ela pudesse fazer as provas em casa. "Vou voltar a estudar só no ano que vem. Precisava de um tempo para mim."

 

Durante esse período sabático, Geisy conta que tem frequentado muitos "eventos". Além disso, ela ganha com a venda de vestidos em um site de sua grife, a Divino Rosa. Com o dinheiro que ganha com essas atividades, ela paga um curso de teatro ministrado por Nilton Travesso, no bairro de Pinheiros.

 

Geisy tem aspirações artísticas. Ela chegou a participar de um reality show na TV Record para conseguir um namorado, mas revela que não está namorando mais o escolhido, no momento. "Não deu certo, ele era muito ciumento e morava lá em Minas Gerais, muito longe. Mas ficamos amigos."

 

O assessor jurídico da Uniban  Décio Lencione Machado preferiu não comentar suas expectativas sobre a audiência, que será realizada na 9ª Vara Cível, no Fórum de São Bernardo do Campo, às 10h.

Além do processo civil, um inquérito criminal tramita na Delegacia da Mulher de São Bernardo do Campo.

 

 

Mais conteúdo sobre:
geisy arruda uniban indenização

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.