Reprodução
Reprodução

Assim como em 2015, Enem volta a discutir machismo

Questão comparava propaganda de 1968 com comentários em reportagem de 2016; candidatos deveriam concluir que houve quebra de estereótipos

Rafael Gonzaga e Willy Delvalle, Especiais para o Estado

05 Novembro 2016 | 19h43

SÃO PAULO - Após utilizar o tema “A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira” em 2015, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2016 abordou mais uma vez a questão do machismo. A questão 7 da prova de Geografia relacionou uma propaganda de 1968 com os comentários machistas publicados por internautas em resposta à notícia de 2016 que falava sobre uma equipe da Nasa a qual metade eram mulheres.

A propaganda em questão trazia uma mulher com capacete de astronauta segurando um produto de limpeza junta à frase “A mulher levará a limpeza para a lua”. A missão do aluno era falar sobre que traço social a comparação das duas coisas evidenciava.

Célio Tasinafo, diretor pedagógico da Oficina do Estudante, de Campinas, no interior de São Paulo, explicou que a prova de Ciências Humanas, de um modo geral, priorizou temas transversais, como tolerância e direitos humanos. “O anúncio de 1968 dava a impressão de que as mulheres seriam só faxineiras. A notícia da Nasa mostra a mulher em pé de igualdade de conhecimento com os homens”, interpreta. 

O diretor pedagógico afirma que o aluno, nessa questão, deveria chegar à conclusão de que houve uma quebra de estereótipos entre os homens e mulheres. A abordagem, no entendimento do professor, é diferente de uma questão da prova do ano passado, que pedia para o aluno avaliar a contribuição de proposições da filósofa Simone de Beauvoir. “A questão do ano passado parecia militância feminista. A desse ano, não. Mostra os avanços e a igualdade que as mulheres conseguiram”, avalia.

Tainá Albuquerque,  de 17 anos, fez a prova pela primeira vez, e elogiou a prova de Ciências Humanas, que além do machismo, trouxe também questões sobre racismo e xenofobia. "São temas que estão no nosso dia a dia, por isso é mais fácil de entender e saber resolver. Eu, por exemplo, leio muito sobre esses assuntos", disse, destacando a questão sobre o número de mulheres astronautas.

Assim como ela, Estefan Alvarenga, de 24 anos, fez a prova e disse ter gostado da presença de temas desse tipo no exame. “Eu achei uma questão muito boa, é importante tratar de um assunto atual e mostrar que, apesar de em 1968 o machismo ser descarado, ainda há machismo em 2016, mesmo que mascarado pela internet”, disse. / COLABOROU ISABELA PALHARES

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.