Evelson de Freitas/AE
Evelson de Freitas/AE

Assembleia reúne 350 professores estaduais na Praça da República

Educadores reclamam da decisão do governo de parcelar o reajuste em quatro anos e dividir as férias

Marcela Bourroul Gonsalves, da Central de Notícias

02 Setembro 2011 | 16h37

Os professores da rede pública estadual de São Paulo se reúnem na tarde desta sexta-feira, 2, para realizar uma assembleia. Segundo a Polícia Militar, por volta das 16h havia cerca de 350 pessoas concentradas na Praça da República, no centro da capital paulista. Não havia ocupação de vias na região.

Segundo consta no site do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), o objetivo da assembleia é mostrar ao governo o descontentamento dos professores com os parcelamentos do reajuste em quatro anos e das férias (quinze dias em julho e quinze dias em janeiro).

Entre as reivindicações da categoria estão ainda um reajuste salarial de 36,74%, um plano de carreira e a aplicação da jornada da lei do piso.

Ao final da assembleia, os professores decidiram que vão participar, no dia 26 de outubro, de marcha organizada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, em defesa dos 10% do PIB e 50% dos recursos do pré-sal para a educação pública, em Brasília. Na marcha, os professores paulistas também vão exigir o cumprimento da Lei do Piso Profissional Nacional, que garante um terço da jornada dos professores para atividades extraclasse.

Em São Paulo, os professores vão organizar um dia de aulas com a jornada determinada pela lei e também vão continuar a reivindicar a revogação da medida que parcelou as férias da categoria em dois: 15 dias em julho e 15 em janeiro.

Atualizada às 19h37.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.