Assembléia paulista votará plano de educação para dez anos

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), encaminhou à Assembléia Legislativa de São Paulo o Plano Estadual de Educação. O projeto, que será analisado e votado pelos deputados, estabelece uma série de diretrizes para o setor durante dez anos. Entre elas estão garantia do ensino fundamental de oito anos - em parceria com os municípios -, universalização do ensino médio e valorização dos professores.A elaboração do texto está prevista no Plano Nacional de Educação e deve ser feita por todos os Estados e municípios. De acordo com o secretário da Educação, Gabriel Chalita, as diretrizes têm como origem audiências públicas e temáticas. "Nós demoramos praticamente um ano para elaborar esse plano, ouvindo muito a comunidade", destacou. "E a Assembléia deve ouvir mais."Para Alckmin, a iniciativa é importante porque não se pode improvisar na educação. "Devemos planejar a curto, médio e longo prazo."CríticaApesar de o governo do Estado garantir que houve ampla participação na discussão do plano, entidades ligadas à educação criticaram justamente a falta de debates mais profundos com a sociedade. "A primeira coisa que a gente coloca de restrição é o processo utilizado", disse o professor João Kleber de Santana Souza, integrante da executiva do Fórum de Educação da Zona Leste de SP.Segundo Souza, o calendário de audiências públicas concentrou-se apenas em maio e junho, o que acabou deixando as discussões muito corridas. "Conseguimos participar apenas de uma. Foi uma audiência pró-forma", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.