Assembléia das Fatecs decide rumo da greve

Professores e funcionários das Faculdades de Tecnologia (Fatecs) e das Escolas Técnicas Estaduais (Etes) fazem nesta terça nova assembléia para decidir se mantêm a greve, que, segundo os sindicatos, vem deixando mais de 11 mil alunos sem aulas.Os grevistas reivindicam reposição salarial de 72,22%, que seria o equivalente ao que foi pago desde 1996 aos docentes e funcionários das três universidades paulistas.O governo sustenta que não tem como conceder nenhum reajuste porque já atingiu o chamado limite prudencial permitido por lei para gastos com funcionalismo.DescontoNa segunda-feira, o Tribunal de Justiça de São Paulo determinou que os funcionários contratados em regime estatutário tenham descontados dos salários os dias não trabalhados. A Justiça já havia decidido que os contratados pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), os chamados celetistas, também devem ter seus vencimentos cortados. Nenhuma das decisões é definitiva.No fim da semana passada, uma comissão formada por deputados estaduais intermediou um encontro entre o secretário de Estado de Ciência e Tecnologia, João Carlos Meireles, e os grevistas. "O encontro foi positivo, embora muito tenso. O momento é de impasse", disse o presidente da Comissão de Educação da Assembléia Legislativa, Carlinhos Almeida (PT).ArrecadaçãoA única aparente solução para a crise está no aumento da arrecadação do Estado, o que daria uma folga ao governo para gastar mais com folha de pagamento."Há realmente uma perspectiva otimista quanto ao fechamento do quadrissemestre", disse o secretário-adjunto estadual da Ciência e Tecnologia, Fernando Dias Menezes de Almeida. "Se sair do limite prudencial, o Estado fará uma análise desses pleitos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.