As novas caras do vestibular

Enem pode se tornar exame unificado de universidades federais já este ano; USP e Unesp também anunciaram modificações

Ana Bizzotto, especial para o Estado,

30 de abril de 2009 | 00h55

SÃO PAULO - Os candidatos aos principais vestibulares do País já se preparam para uma maratona de mudanças. USP e Unesp anunciaram alterações em seus exames já para este ano, enquanto o Ministério da Educação propôs transformar o Enem em processo seletivo unificado para universidades federais e particulares.

A Unesp foi a primeira a anunciar alterações no vestibular, que passará a ter duas fases, em novembro e dezembro. A primeira terá 90 questões de múltipla escolha, com caráter eliminatório, que deixarão de ser divididas por matérias para valorizar a interdisciplinaridade. "Precisamos de alunos mais críticos, que saibam interpretar e contextualizar", disse a diretora da Vunesp, Tânia de Azevedo.

Na Fuvest, a primeira fase deixará de contar pontos na nota final e a segunda vai incluir questões dissertativas de todas as disciplinas - até 2008, só havia dissertativas de disciplinas ligadas à área do curso. "A proposta não altera conteúdos. O que muda é a maneira de aferir o perfil do aluno desejado", diz a pró-reitora de Graduação da USP, Selma Garrido Pimenta.

O novo Enem, com 200 questões e redação, será realizado em 3 e 4 de outubro. Pela proposta do MEC, os candidatos podem se inscrever em até cinco universidades. O prazo final para as instituições decidirem se vão aderir é 8 de maio.

Entre os favoráveis ao novo Enem está o reitor da Universidade Federal da Bahia, Naomar Almeida. A princípio, as mudanças só valem para os bacharelados interdisciplinares da UFBA, com foco em quatro áreas e duração de três anos. "Se a prova for semelhante à nossa primeira etapa e tivermos certeza da viabilidade jurídica, sem riscos de embargo por algum candidato, podemos usá-la para outros cursos já no próximo vestibular. O MEC prepara um parecer sobre essa viabilidade, que será submetido à aprovação dos conselhos universitários." Segundo Almeida, a logística já existe em virtude do ProUni, que concede bolsas em universidades particulares com base na nota do Enem. "É só questão de fazer uns ajustes."

 

Enem: mudar já ou depois?

- Leandro Carabet, 17 anos

Foi uma mudança muito rápida, deveria ser gradual e não tão radical. Querem mudar uma estrutura para a qual estamos nos preparando desde o 1º ano do ensino médio. A demora de explicações claras sobre como realmente vai ser a prova nos confunde e preocupa"

- Lílian Oliveira, 19 anos

Foi uma surpresa, não estávamos nos preparando para essas mudanças. Não gostei, porque acho muito cansativo fazer cem questões por dia. Deveriam ser três dias de prova"

- Thays Lencione, 20 anos

Está em cima da hora. Deviam ter definido isso antes do ano letivo ou se organizado para mudar no ano que vem. Tenho dúvidas em várias questões e tenho certeza que não sou a única"

7 universidades e o Enem

- Unip

Como é hoje: 10% das vagas são reservadas para quem fez Enem e opta por utilizar a nota obtida no exame

Como fica: nota do Enem continuará a ser usada para 10% das vagas

- Estácio de Sá

Como é hoje: desde 1998 quem apresenta nota do Enem fica dispensado do vestibular

Como fica: aguarda mais detalhes do projeto para se posicionar

- PUC-MG

Como é hoje: Enem será usado na seleção de 15% das vagas no vestibular de junho

Como fica: ainda não tem posição definida

- UFBA

Como é hoje: não utiliza o Enem

Como fica: novo modelo será adotado como fase única para 4 cursos inter-disciplinares já no próximo vestibular

- UFRJ

Como é hoje: não utiliza o Enem

Como fica: ainda não definiu, mas pretende adotar o novo modelo, que poderá substituir a 1.ª fase

- PUC-SP

Como é hoje: nota do Enem representa 20% da pontuação se for maior que a nota da prova objetiva Como fica: continuará a usar o Enem associado ao vestibular

- Mackenzie

Como é hoje: já usa o Enem; parte objetiva tem peso 1 e as questões do vestibular têm peso 2

Como fica: quer ver como será o novo modelo para tomar uma decisão

Tudo o que sabemos sobre:
pontoedu

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.