Imagem Rosely Sayão
Colunista
Rosely Sayão
Conteúdo Exclusivo para Assinante

As crianças na pandemia

Diariamente lemos, ouvimos, falamos, assistimos a reportagens e trocamos ideias a respeito da doença provocada pelo covid-19, da gravidade dela e da morte

Rosely Sayão, O Estado de S.Paulo

12 de julho de 2020 | 05h00

Nunca a morte – bem como a ideia dela – esteve tão em evidência para nós quanto nestes tempos de pandemia. Diariamente lemos, ouvimos, falamos, assistimos a reportagens e trocamos ideias a respeito da doença provocada pelo covid-19, da gravidade dela e da morte.

Sofrimento e morte: eis os temas que têm ocupado lugar privilegiado em nossos pensamentos. Muitos perderam pessoas próximas, com quem tinham laços de parentesco ou de vínculo de afeto. O sofrimento decorrente dessas perdas tem sido muito intenso e o luto, nada fácil. Afinal, quase todos foram privados do funeral e do enterro, rituais que ajudam a organizar o luto das pessoas. Mesmo quem não perdeu alguém conhecido ou próximo sofre por empatia. 

Já lemos opiniões e análises de que as notícias sobre o número de infectados e mortes poderia desumanizar a dor da perda de tantos brasileiros, já que se as informações acabam se transformando em números e estatísticas. Entretanto, nossa humanidade não permite que ignoremos por completo o fato de que o sofrimento, a angústia, a ansiedade e o medo, entre outros, nos rondam neste período de pandemia e não há vacina tampouco tratamento efetivo para a doença.

Nesse panorama, é importante perguntar: como ficam as crianças e os adolescentes nesse contexto? Vale lembrar que todos eles estão com acesso a todas as informações do mundo adulto. Como será que entendem e elaboram essas questões? Como a ideia de morte é percebida? Como responder às perguntas que nos fazem? 

Primeiramente, é preciso lembrar que a ideia da morte varia de acordo com o estágio de desenvolvimento da criança, bem como com as experiências já vivenciadas. Por exemplo: uma criança de 4 anos pode não entender a morte no seu real significado, e outra, da mesma idade e mesmo estágio de desenvolvimento, por viver em locais de extrema violência, pode ter um entendimento mais pleno da finitude humana. 

Vamos lembrar que a aceitação da morte é difícil até para adultos e que, a partir dessa ideia, as crianças passaram a ser poupadas da ideia da morte, como se isso fosse possível! Muitas famílias não contam aos filhos pequenos sobre a morte de um parente próximo e até criam mentiras para explicar a ausência das pessoas que morreram. Em vez de dizer, por exemplo, “o vovô morreu”, dizem: “o vovô viajou”. No geral, devemos sempre respeitar a criança e dizer-lhe a verdade. Ocultar a morte para evitar sofrimento não ajuda em nada: a criança percebe que há pessoas tristes ao redor e a relação de confiança sofre, então, uma quebra.

Dizer a verdade à criança a respeito da morte pode sofrer variações de acordo com a idade dela. Para as que estão na primeira infância pode ser útil recorrer a alguns mitos. Por exemplo: “vovô morreu e agora está no céu, com as estrelas”, uma fantasia que ajuda a criança a elaborar o conceito.

Crianças maiores já entendem o significado da morte quase como um adulto: “É o fim”, me disse uma garota de 10 anos. E quando essa compreensão chega, em geral chega acompanhada de medo – medo de perder os pais, medo da morte.

Acolher amorosamente esse medo, sem falsas promessas, é o melhor que podemos ofertar. Não podemos garantir que ela não morrerá, mas podemos aquietar o quanto possível essa angústia: “Irei sempre cuidar de você e de sua saúde, da minha também”. Isso dá segurança à criança. E quando eles perguntam o que não sabemos? “Por que as pessoas morrem?”é uma curiosidade frequente. Responder que é “porque toda a vida acaba” é um modo delicado de apontar a finitude da vida.

E os adolescentes? Com eles, a questão é mais complexa porque, em tempos de pandemia, de isolamento físico, de quebra do acesso ao mundo adulto que eles vinham conquistando, a ideia de morte pode acrescentar à ansiedade e à tristeza deles um fator perigoso. Muitos amigos psiquiatras têm relatado a procura de pais de adolescentes que têm falado de ideias suicidas. Nesses casos, é preciso procurar rapidamente um profissional.

No geral, devemos incentivar no adolescente o amor à vida e o cuidado com ela, em qualquer situação, e nunca o desafio da morte.

*

É PSICÓLOGA

Tudo o que sabemos sobre:
coronavíruseducaçãocriança

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.