Marcos Corrêa/PR
Marcos Corrêa/PR

Artigo: E quem ensina os médicos, veterinários e engenheiros, ministro?

Especialistas de universidades públicas comentam declaração de presidente Jair Bolsonaro sobre investimento em faculdades de Humanas; "educação é um processo muito mais abrangente do que a qualificação técnica"

Davi Tangerino, Gustavo Bambini e Murilo Gaspardo*, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2019 | 16h19

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira, 26, que "estuda descentralizar investimento em faculdades de Filosofia e Sociologia (Humanas)". O foco, segundo ele, seria privilegiar "áreas que gerem retorno imediato, como: Veterinária, Engenharia e Medicina".

A declaração é preocupante.

Primeiro e mais basicamente, porque a educação é um processo muito mais abrangente do que a qualificação técnica, compreendendo a formação humanística, ética e crítica dos indivíduos. São professores formados em Filosofia, Sociologia, História, Letras, Pedagogia etc. que cumprem primordialmente este papel na educação básica. As habilidades comunicativas e comportamentais desenvolvidas nesses campos do saber são, inclusive, indispensáveis para o acesso e o bom desempenho nos cursos  "com resultados imediatos", bem como para a inserção no mercado de trabalho.

Em segundo lugar, a Filosofia constitui o fundamento de todas as ciências por lhes fornecer as bases epistemológicas e éticas. Mayana Zatz, por exemplo, não poderia avançar nas pesquisas do Projeto Genoma sem forte base ética. Não se pode desprezar as ciências básicas. O veterinário e o engenheiro dependem, para seu mister, do conhecimento sobre o terreno, os ventos, o ciclo da água, o clima. Muito disso vem da Geografia.

Em terceiro lugar, são sociólogos, filósofos, cientistas políticos, economistas, antropólogos, dentre outros, que têm os instrumentos teóricos adequados para a construção de políticas públicas. A decisão de, por exemplo, alocar recursos públicos de saúde em determinada região do País necessita de dados e reflexões produzidos, inclusive, por cientistas sociais. Melhor será construir uma unidade de oncologia? Ou saúde da família? Na agricultura, a liberação de agrotóxicos, para além da saúde dos consumidores dos alimentos a eles expostos, impacta o meio ambiente, os moradores adjacentes. Quem mede isso? Cientistas sociais, em grande parte.

Construir uma grande planta industrial com grande deslocamento humano, marcadamente masculino, impacta o meio social de maneira agressiva. Como administrar e mitigar as consequências negativas são reflexões típicas das ciências humanas.

Médicos, veterinários e engenheiros não são produzidos no vácuo, não trabalham no vazio, e não produzem para o nada. Todos esses conectores são, em grande parte, viabilizados pelas ciências humanas. Sob o pretexto de combater ideologia, não implementem outra, obscurantista, abandonada por qualquer círculo científico sério há muitas décadas.


*Davi Tangerino é professor de Direito Penal na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) e na Fundação Getulio Vargas (FGV-SP)

Gustavo Bambini é mestre e doutor em Direito do Estado pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP) e professor doutor da mesma universidade

Murilo Gaspardo é diretor da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.