'Aprovação automática não estava dando certo', diz Haddad sobre educação

Prefeitura lançou nesta quinta, 15, proposta de reforma que permite reprovação em cinco séries e torna obrigatória a lição de casa e prova bimestral

Paulo Saldaña,

15 Agosto 2013 | 17h07

O prefeito Fernando Haddad (PT) afirmou nesta quinta-feira, dia 15, que o modelo de educação da rede municipal não estava acompanhando o aprendizado dos alunos. “A chamada aprovação automática não estava dando certo, razão pela qual 38% das crianças chegam aos 10 anos sem ler e escrever, analfabetas, É quase metade das crianças”, disse ele durante lançamento do programa de reestruturação da área realizada pela Prefeitura.

A proposta de reforma altera a divisão de ciclos, permitindo reprovação em cinco séries - não mais em duas, como é hoje -, além de criar a recuperação de alunos nas férias e a possibilidade de se carregar dependência. Também implementa a obrigatoriedade da lição de casa, provas bimestrais e notas de 0 a 10, não mais por conceitos. 

“É um acompanhamento diário para suprir deficiências. Hoje a gente deixa tudo para o final”, diz Haddad. A nova diretriz, que será implementada na rede a partir do ano que vem, está aberta para consulta pública até o dia 15 de setembro.

O prefeito afirmou que, além do período de consulta, o programa poderá ser melhorado. “Certamente boas ideias virão e as que puderem ser acolhidas, serão”, disse. Segundo o prefeito, o programa levou 6 meses para ficar pronto. “Temos que apresentar alguma coisa discutível. É a ideia com começo meio e fim, para respeitar o interlocutor.” 

Com o novo projeto, a rede municipal passa a ter três ciclos, e não mais dois. Antes, a possibilidade de repetência se concentrava apenas no 5º e 9º ano. Agora a retenção pode acontecer nos 3º, 6º, 7º, 8º e 9º anos.

Educadores temem por aumento nas taxas de retenção, que tendem a resultar em maior abandono escolar. O secretário municipal de Educação, Cesar Callegari, nega essa possibilidade, mas aponta uma nova realidade da rede. “Eu quero dizer que se não estudar, não vai para frente. Educação é trabalho para criança, para o jovem, para todos nós educadores”, diz ele. “Se o aluno tem dificuldade, temos obrigação de apoiar. Enxergar as dificuldades no tempo certo e apoiá-los no seu desenvolvimento é o compromisso da secretaria de Educação.”

Mais conteúdo sobre:
Educação, são paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.