Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Aposentado de 84 anos faz Enem pela 4ª vez

Carlos Alberto Barbosa busca vaga em Biologia e espera há 60 anos pela oportunidade de estudar em uma instituição pública

Juliana Dal Piva, O Estado de S. Paulo

24 Outubro 2015 | 16h45

RIO - Pais e estudantes lotavam o pátio de entrada da Universidade do Estado do Rio (UERJ) neste sábado, 24, pouco antes do fechamento dos portões para o início das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A universidade é um dos principais locais de prova no Rio. O clima de ansiedade predomina entre os estudantes. 

Um deles espera há 60 anos pela oportunidade de cursar o ensino superior em uma instituição pública. O aposentado Carlos Alberto Barbosa, de 84 anos, tem o sonho de concluir o curso de ensino superior desde quando tinha apenas 20 anos. Esta é a quarta vez que ele faz a prova.

"Sempre estive na média de nota entre 500 e 600 pontos. Fiz 560 na redação no ano passado", conta ele, que tenta uma vaga em um curso de Biologia. 

O aposentado diz que ficou entre os estudantes que, apesar de aprovados, não conseguiram vaga para o curso de Medicina em 1967. Ele chegou a iniciar um curso de Administração na Fundação Getúlio Vargas anos mais tarde, mas não conseguiu concluir. "Não consegui terminar. Trabalhava no administrativo da Compania de Limpeza Urbana do Rio. Tinha três crianças para sustentar", conta. 

Na tentativa deste ano, ele diz que contratou uma professora de redação e estudou sozinho o restante das matérias, apenas com a ajuda de um computador. "É um sonho. Não tenho pretensão de trabalhar. Só de continuar estudando e aprendendo", afirma.

Quem faz o Enem pela primeira vez é João Pedro Cunha, de 16 anos. Portador de uma doença na medula e de déficit de atenção, o adolescente contará com auxílio de um professor durante a prova. A mãe dele também terá um espaço reservado para aguardar o filho. 

"A organização me ligou e ofereceu um professor-leitor. Também disseram que ele podia fazer a prova oral, mas como esse ano ele vai fazer por experiência, decidimos deixar ele fazer a prova escrita. Fomos muito bem assistidos", explica Monique Aciole, de 41 anos, mãe de João Pedro. 

O adolescente tentará uma vaga no curso de Letras - Língua Portuguesa. "Estou um pouco ansioso. Achava que a redação podia ser sobre crise da economia, mas deve ser algo que ninguém está esperando", conta João Pedro. 

O jovem estava acompanhado da amiga Bruna Brandão, de 16 anos, que tenta vaga no curso de Comunicação Visual ou Design Gráfico. "Passei a semana com um grupo de amigos revisando história, física e química. Mas faço curso técnico e tenho o trabalho de conclusão também. É muita coisa agora", diz Bruna. 

Mais conteúdo sobre:
Enem

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.