Wilson Dias/Agência Brasil
Wilson Dias/Agência Brasil

Após paralisação com 'z', ministro da Educação escreve impressionante com 'c'

Abraham Weintraub voltou a cometer erro de ortografia, desta vez em resposta a post de Eduardo Bolsonaro

Mateus Vargas, O Estado de S.Paulo

08 de janeiro de 2020 | 22h00

BRASÍLIA - O ministro da Educação, Abraham Weintraub, voltou a cometer um erro de ortografia e escreveu nas redes sociais "imprecionante" em vez de "impressionante". A palavra foi usada nesta quarta-feira, 8, em resposta no Twitter ao deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). Eles tratavam sobre investimento do governo em pesquisas sobre segurança pública. 

"Caro @BolsonaroSP, agradeço seu apoio. Mais imprecionante (sic): Não havia a área de pesquisa em Segurança Pública. Agora, pesquisadores em mestrados, doutorados e pós doutorados poderão receber bolsas para pesquisar temas, como o mencionado por ti, que gerem redução da criminalidade.", escreveu Weintraub, que apagou a mensagem minutos depois da publicação.

Em agosto, o Estado revelou que Weintraub assinou ofício, endereçado ao ministro da Economia, Paulo Guedes, em que a palavra "paralisação" foi duas vezes escrita com "z". "Minha responsabilidade. Não escrevi, mas li e deixei passar (...). Erros acontecem", justificou o ministro após a publicação da reportagem.

O ministro Weintraub e o ministro da Justiça, Sérgio Moro, anunciaram nesta quarta, 8, que o governo investirá 10,1 milhões em bolsas de mestrado, doutorado e pós-doutorado para pesquisas na área de segurança pública.

Do total, R$ 6 milhões do financiamento virão de recursos da Secretaria Nacional de Segurança Pública, R$ 2,1 milhões da Polícia Federal e R$ 2 milhões da Capes, de acordo com o MEC. Os valores já estão garantidos no orçamento desses órgãos, afirmou o presidente da Capes, Anderson Correia. O edital será lançado em 15 dias e a seleção vai ser feita por consultores da instituição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.