Após nova falha, MEC pode trocar organizador do Enem

Coordenadores da prova em São Paulo levariam as provas para casa até o dia de aplicação do exame

Lígia Formenti, da Agência Estado,

03 Outubro 2009 | 07h30

O Ministério da Educação quer substituir o consórcio Connasel na organização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), cancelado na madrugada de quinta-feira, 1º, após o Estado ter alertado o MEC de que a prova tinha vazado.

 

Na sexta-feira, 2, em reunião do MEC e do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) com representantes do consórcio, surgiu uma nova denúncia. Coordenadores da prova em São Paulo ficariam com as provas em casa até o dia do exame. Irritado, o ministro da Educação, Fernando Haddad, determinou que sua equipe trabalhasse com um plano B.

Entre as alternativas, está a de o próprio Inep passar a organizar o sistema, amparado por outras instituições públicas, como Correios e Exército, que participariam da distribuição e segurança das provas. A equipe também busca empresas interessadas em assumir o papel.

A possibilidade de o Inep assumir a organização da prova está prevista no contrato com o consórcio. A cláusula 15 permite que, em determinados casos, o Inep tome o controle "no Estado e local em que se encontrar".

 

A data da prova, no entanto, ainda não está definida. O ministério confirmou que ela deve ocorrer no início de novembro, talvez na primeira quinzena, para evitar coincidência com a data de outros vestibulares. Na sexta-feira, o MEC convidou reitores das 55 universidades públicas e das 37 instituições de ensino federais para uma reunião para avaliar o impacto do cancelamento da prova nos processos seletivos.

A presidente do consórcio, Itana Marques Silva, não quis confirmar a nova falha na segurança detectada. Afirmou que o caso está sendo analisado pela polícia e que qualquer informação seria comunicada ao Inep. Ela limitou-se a dizer que, apesar do roubo da prova, não houve falha na segurança.

 

A Consultec, que preside o Connasel, já esteve envolvida em outro caso de suspeita de roubo de prova, durante um vestibular da Universidade da Bahia (Uneb). "Não há relação entre os casos", disse Itana.

Mais conteúdo sobre:
MECEnemfraude

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.