Após greve, governo anuncia reajuste de bolsas de pós-graduação

Alunos de mestrado e doutorado, sem aumento há 4 anos, paralisaram atividades semana passada

Estadão.edu,

03 Abril 2012 | 17h52

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, afirmou nesta terça-feira, 3, que vai reajustar os valores das bolsas oferecidas a alunos de pós-graduação pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). “Temos de construir um reajuste das bolsas da Capes o mais rápido possível, para corrigir a defasagem”, disse, durante entrevista dada a correspondentes estrangeiros em Brasília.

 

A manifestação do ministro veio menos de uma semana depois de mestrandos e doutorandos realizarem uma paralisação nacional para cobrar o aumento nos valores das bolsas, congelados há quatro anos. Hoje, no Brasil, o aluno de mestrado ganha R$ 1,2 mil; de doutorado, R$ 1,8 mil; de pós-doutorado, R$ 3,3 mil; e professor visitante nacional sênior recebe R$ 8,9 mil. No exterior, o valor varia conforme o país, a modalidade e a condição familiar.

 

Segundo matéria publicada do portal do MEC, Mercadante acredita que o programa Ciência sem Fronteiras não faz sentido sem a recomposição dos valores das bolsas no País e no exterior. A meta do governo Dilma Rousseff é enviar 100 mil alunos, da graduação ao pós-doutorado, para uma temporada de estudos em universidades estrangeiras até 2014.

 

O último reajuste de bolsas de pós-graduação no País ocorreu em junho de 2008, quando as de mestrado passaram de R$ 940 para os atuais R$ 1,2 mil e as de doutorado subiram de R$ 1,3 mil para R$ 1,8 mil. Entre 2004 e 2008, houve três aumentos - as bolsas obtiveram reajuste de 67% sobre os valores de 2002.

 

De acordo com o MEC, nos últimos quatro anos a Capes expandiu o Sistema Nacional de Pós-Graduação e aumentou a oferta de bolsas. Em 2008, diz o governo, havia cerca de 40 mil bolsistas no País; em 2011, esse número saltou para 71 mil, o que representa um crescimento de 75%.

 

Para Elisangela Lizardo, presidente da Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG), a manifestação do ministro foi uma sinalização importante em direção ao reajuste, mas ainda não é a hora de comemorar. Segundo informações publicadas no site da entidade, Elisagela deve viajar a Brasília para acompanhar a discussão sobre o aumento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.