Após fraude, MPF quer suspender compra de livros didáticos no Pará

Pedido do ministério já foi encaminhado ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) e aguarda avaliação; caso pode ser levado à Justiça

Marcela Bourroul Gonsalves, da Central de Notícias

06 Setembro 2011 | 16h29

SÃO PAULO - O Ministério Público Federal (MPF) recomendou a suspensão imediata da compra de livros didáticos para a 10ª Unidade Regional de Educação no Pará, após o banco de dados com os títulos escolhidos ter sido fraudado.

A lista das obras selecionadas pelos professores e diretores de escolas foi inserida no sistema do Programa Nacional do Livro Didático em 8 de junho. Quatro dias depois, as informações foram alteradas por uma pessoa que ainda não foi identificada. O caso está sendo investigado pela Polícia Federal.

O documento que pede a suspensão da compra foi encaminhado ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) na segunda-feira, 5. Se em até dez dias o Fundo não apresentar resposta, o caso poderá ser levado à Justiça.

Além de exigir a paralisação urgente do processo de compra, há ainda a recomendação de que seja reaberto o sistema de cadastramento no Ministério da Educação (MEC) dos livros didáticos escolhidos nos municípios abrangidos pela 10ª URE, que reúne 12,4 mil alunos em 18 escolas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.