Após declarações otimistas, Lula é mais cauteloso em relação a Enem

Presdiente, que está em Moçambique, disse que 'PF está apurando o que aconteceu'

Tânia Monteiro, Enviada especial

10 Novembro 2010 | 19h00

Depois de ter defendido a realização do Enem na última segunda-feira e ter atestado que a prova foi realizada com “sucesso total e absoluto”, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi mais cauteloso ontem e avisou que “a Polícia Federal vai fazer todas as investigações para saber o que aconteceu efetivamente” mas assegurou que, “se for necessário”, o Ministério da Educação (MEC) realizará novas provas. 

 

O presidente, que insistiu que “o Enem vai continuar sendo fortalecido”, afirmou que “nenhum jovem vai ficar sem cursar a universidade” por causa dos problemas ocorridos no exame de ensino médio. Lula contou, em entrevista antes de deixar Maputo, capital de Moçambique, que na noite de terça-feira telefonou para o ministro da Educação, Fernando Haddad, para saber “que garantias” podem ser dadas aos estudantes brasileiros. “São duas: primeiro é que vamos investigar o que aconteceu efetivamente no Enem, e a PF já está em campo. Segundo,que nenhum jovem deixará de cursar a universidade porque teve um problema no Enem. Se for necessário fazer uma prova, nós faremos, se for necessário fazer duas, nós faremos, mas o dado concreto é que nós vamos fortalecer o Enem porque o Enem é a melhor coisa que aconteceu até agora”.

Mais conteúdo sobre:
Lula Enem Maputo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.