Catarina Chaves/MEC
Catarina Chaves/MEC

Após críticas de omissão na pandemia, MEC promete ações para apoiar escolas

Ministério da Educação vai lançar programa com oferta de plataforma digital para as redes de ensino

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

05 de maio de 2021 | 21h50

Criticado por omissão na pandemia, o Ministério da Educação (MEC) apresentou nesta quarta-feira, 5, um documento de 80 páginas com balanço da atuação nos últimos meses. Quase quatorze meses após o fechamento das escolas para frear a transmissão do vírus, a pasta também prometeu ações de apoio ao ensino remoto e à volta das aulas presenciais, como ferramentas digitais, investimento em conectividade, avaliação diagnóstica e apoio a atividades no contraturno. 

Um dos destaques, que será lançado este mês, é o Plano Brasil Aprendizagem. "Esse programa contará com ações abrangentes, englobando a avaliação diagnóstica, a oferta de plataforma digital para as redes de ensino, disponibilização de aulas online e de livros digitais para todos os estudantes, fomento ao apoio pedagógico no contraturno a fim de reduzir os déficits de aprendizagem, ferramentas para avaliações formativas mais céleres, feedback personalizado para professores e estudantes, investimentos na conectividade das escolas e estudantes, entre outras", diz o documento.

O evento de apresentação do Relatório de Ações em Resposta à Pandemia contou com a presença do ministro Milton Ribeiro, que chegou a dizer em 2020 que a volta às aulas não era tema da pasta, mas nas últimas semanas tem defendido a reabertura dos colégios. Especialistas projetam aumento dos déficits de aprendizagem, sobretudo entre os alunos mais vulneráveis, e da evasão escolar. Também apontam risco de prejuízo às habilidades socioemocionais das crianças e adolescentes. 

"Estamos criando condições para uma nova realidade, um misto de aulas presenciais e remotas, que é o ensino híbrido. O Ministério da Educação reafirma o seu compromisso de continuar trabalhando para a superação dos desafios atuais e históricos da educação brasileira, em articulação com todos os atores", explicou Ribeiro, cuja gestão tem sido alvo de críticas de entidades e ex-titulares do MEC nas últimas semanas. 

Ele aproveitou para apresentar o novo Painel Coronavírus de Monitoramento, uma ferramenta desenvolvida sob a coordenação da Secretaria de Educação Superior (Sesu) em parceria com a Rede Data Science BR (DSBR) da Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB), e contou também com a colaboração da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec).

"A ferramenta fornece dados em forma de mapas e diagramas interativos e responsivos, com o objetivo de manter os cidadãos, gestores educacionais, discentes e docentes informados, com transparência e praticidade, bem como auxiliar no processo de tomada de decisão", diz o MEC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.