Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

Após 2ªaplicação da prova, Enem 2016 confirma maior número de abstenção desde 2009

Dos 8,6 milhões de inscritos para a prova, mais de 2 milhões não compareceram para o exame; MEC diz que prejuízo com abstenções é de R$ 235 milhões

Julia Lindner, O Estado de S. Paulo

04 de dezembro de 2016 | 21h36

BRASÍLIA -  As duas aplicações do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2016 registraram o maior número de abstenções desde 2009: 30,4%. No ano passado, este número era de 27,6%. Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), apenas cerca de seis milhões dos 8,6 milhões de inscritos participaram da prova este ano. 

O ministro da Educação, Mendonça Filho, afirmou que as abstenções dos cerca de 2,6 milhões de inscritos este ano nas duas aplicações representam um prejuízo de R$ 235 milhões aos cofres públicos. "É um dinheiro que simplesmente não foi aproveitado", disse o ministro. Para Mendonça, este é um número relevante, porém o Ministério da Educação ainda não possui propostas para solucionar o problema. 

As abstenções devem ser uma das questões que serão abordadas durante consulta pública para aperfeiçoar o Enem, prevista para janeiro. "Fazemos uma operação de guerra para realizar o Enem, e mais de 2 milhões não comparecem. Em algumas situações os inscritos nem sequer consultam o cartão de inscrição. Então é algo que vai estar presente nas discussões técnicas, mas ainda não temos essa resposta", declarou Mendonça.

 

A presidente do Inep, Maira Inês Fini, reafirmou que o instituto não tem uma resposta para as abstenções, mas pode "fazer um apelo" para que as pessoas tenham conhecimento de todo o "esforço" que é feito para a realização das provas. "Queremos fazer um apelo social, que aqueles que se inscreverem devem comparecer, não tenho outra alternativa a não ser fazer esse apelo", reforçou.

A segunda aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) registrou abstenção de 39,7% neste sábado (3) e 41,4% neste domingo (4), de acordo com o Inep. As avaliações deste final de semana foram feitas em decorrência das ocupações em locais de prova na primeira aplicação e de contingências ocorridas naquelas datas, dias 5 e 6 de novembro. 

Dos cerca de 277.657 inscritos na segunda aplicação, 72.223 não fizeram a prova. Desse total, 11 participantes foram eliminados por descumprimento de regras gerais. A Polícia Federal informou que não houve prisões durante a segunda aplicação da prova. O gabarito da avaliação será divulgado na próxima quarta-feira, (7), no portal do Inep. As aplicações foram feitas em 166 municípios, em 419 locais diferentes.

Questionado se a consulta pública, que será publicada em janeiro, representa uma insatisfação do MEC com o Enem, Mendonça negou. "Estamos satisfeitos, conseguimos bom desempenho, mas não existe modelo que não mereça algum tipo de aprimoramento, alguma evolução", respondeu. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.