Apenas 1/3 das metas da educação foram cumpridas, diz jornal

Relatório encomendado pelo MEC aponta barreiras no acesso à educação infantil e no ensino superior do País

estadao.com.br,

03 Março 2010 | 10h24

Estudo encomendado pelo Ministério da Educação aponta que apenas 33% das 294 metas do Plano Nacional de Educação (PNE) foram alcançadas no período entre 2001 e 2008. Análise do relatório foi divulgada nesta quarta-feira, 3, em reportagem do jornal Folha de S. Paulo.   Veja também: Estudantes com bom desempenho podem engordar Bolsa Família Ensino público de SP tem aumento leve de médias, diz Saresp Veja mais notícias sobre educação no Estadão.edu      Metas relacionadas ao índice de repetência, taxa de estudantes no ensino superior e acesso à educação infantil ficaram distantes do proposto em 2001, quando o PNE foi elaborado, apontou o relatório feito por pesquisadores de universidades federais e apoiado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep).   Para a educação infantil, que possui indicadores claros, o PNE previa que 50% das crianças entre 0 a 3 anos estariam matriculadas em creches até 2010, porém, segundo levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apenas 18% das crianças dessa faixa etária estavam matriculadas em creches. Na análise do ensino superior, o governo esperava colocar 30% dos jovens nas universidades, mas até 2008 apenas 13,7% estavam matriculados.   O PNE, que deverá ser rediscutido neste ano, sofreu um revés em 2002, quando o então presidente Fernando Henrique Cardoso vetou meta que previa aumento substancioso dos recursos federais à educação, que seria 7% do PIB em educação até 2010. Para especialistas, essa ausência de um investimento maior na educação comprometeu o cumprimento das metas elaboradas pelo PNE, criado para sustentar projetos educacionais do governo federal durante a transição do governo FHC para a gestão de Lula.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.