Dênis Ferreira Neto/Estadão
Dênis Ferreira Neto/Estadão

Análise: Migração pode trazer consequências ruins para a sociedade

'Não se pode desvalorizar a universidade pública, pois tem um papel de extrema importância que nunca poderá ser suprimido pela faculdade particular: pesquisa'

Arthur Fonseca, O Estado de S.Paulo

13 Março 2017 | 03h00

Não existe uma homogeneidade de qualidade e mesmo de prestígio entre as universidades públicas brasileiras e essas diferenças têm se acentuado com a crise que atinge as instituições. Algumas delas, que receberam mais evidência nos últimos anos pela falta de recursos financeiros e professores e pelas longas greves de docentes e alunos, sofreram um enorme desgaste de imagem. E isso, claro, reflete nas escolhas dos estudantes. 

Hoje, já não é mais hegemônico que todos os bons alunos vão estudar em universidade pública. Muitos que podem pagar por um curso de excelência optam pela faculdade particular. Os próprios pais se preocupam com a deterioração das instituições. No entanto, mesmo dentro das universidades públicas ainda há algumas bolhas de excelência, como os cursos de Medicina, Direito e algumas Engenharias. São cursos que sofrem menos com a falta de recursos e têm menos greves. Já outros cursos, como as licenciaturas, sofrem mais impacto diante da crise financeira porque já são menos favorecidos até mesmo pelo mercado de trabalho. 

A migração dos bons alunos das instituições públicas para as privadas pode trazer consequências ruins para toda a sociedade brasileira. Não se pode desvalorizar a universidade pública, pois tem um papel de extrema importância que nunca poderá ser suprimido pela faculdade particular: pesquisa e extensão. Por isso, é importante a retomada da segurança na qualidade de ensino e do prestígio nas universidades públicas brasileiras.

ARTHUR FONSECA É DIRETOR DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESCOLAS PARTICULARES (ABEPAR)

Mais conteúdo sobre:
Ensino superior SÃO PAULO Medicina Direito

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.