Análise: Deve-se mudar a lógica de utilização das regras

SÃO PAULO - A educação vive um momento de crise, a crise da transformação da escola. Um dos pontos mais polêmicos da mudança diz respeito à busca da disciplina, pois ora convivemos com o autoritarismo presente “em normas escolares”, em que a punição e a intimidação são as molas propulsoras da ação pedagógica, ora com as mediações entre professores e alunos com base em diálogos e vivências da autoridade exercida a partir da consciência do papel da escola e desempenho docente. 

Neide de Aquino Noffs, Doutora em educação pela USP, é diretora da Faculdade de Educação da PUC-SP

16 Agosto 2014 | 18h00

Encontramos várias referências sobre a disciplina, porém há duas a destacar: a que se assemelha ao desfile militar, que subordinaria o soldado à causa e não à eficiência do exército, e a outra a da orquestra, na qual o primeiro violino obedece ao maestro porque está preocupado tanto quanto o regente em ter uma boa apresentação. 

Identificamos em ambos os casos a necessidade de regras, que não podem, porém, se tornar instrumento autoritário do professor, mas a construção de um clima que assegure a harmonia entre todos os elementos da ação educativa. A construção de “combinados”, ou regras elaboradas em conjunto, colabora para identificar atitudes que deverão servir de referência às ações no cotidiano. Assim, as ações que norteiam a convivência escolar e familiar deverão ser compreendidas como instrumento construído democraticamente no interior da escola e da família, para que todos aprendam a respeitar a si e aos outros, pelo bem comum. 

As regras assim entendidas implicam limites claros a todos, e assumi-las propicia o aprendizado de pertencer a uma “orquestra”. Conviver com as diferenças se aprende! Transformar regras em ações compreensivas também. Mudar a lógica da utilização das regras é urgente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.