Análise: Crise da USP impactará ranking nos próximos anos

'Permanecer no grupo das cem universidades com melhor reputação no mundo, no entanro, é algo bastante positivo'

Renato Pedrosa, O Estado de S.Paulo

05 Maio 2016 | 03h00

Embora a Universidade de São Paulo (USP) tenha caído no ranking da Times Higher Education (THE), permanecer no grupo das cem universidades com melhor reputação no mundo é algo bastante positivo. 

Em um ranking de reputação, as instituições maiores e mais conhecidas levam vantagem. Além disso, nossa língua não é o inglês - o que limita a atração de pesquisadores da comunidade internacional - e historicamente o Brasil tem menos intercâmbio internacional do que americanos e europeus. Todos esses fatores são levados em conta no ranking e, por isso, a USP tem um mérito enorme por integrar o seleto grupo.

É perigoso interpretar essa queda no ranking como uma tendência de piora de qualidade. A USP caiu no ranking em 2014, subiu em 2015 - em plena crise universitária - e voltou a cair neste ano. Por outro lado, a atual crise econômica provavelmente terá impacto na reputação da USP nos próximos anos, já que a universidade poderá perder recursos, projetos e cooperações internacionais.

RENATO PEDROSA É ESPECIALISTA EM ENSINO SUPERIOR E PROFESSOR DA UNICAMP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.