AMB quer barrar abertura de 3 cursos de Medicina

A Associação Médica Brasileira (AMB) quer impedir a abertura de três cursos de Medicina na capital paulista. Eles seriam oferecidos pela Universidade Anhembi Morumbi, UniFMU e Universidade Paulista (Unip). A entidade, apoiada pelo Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), afirma que já enviou o pedido ao ministro da Educação, Tarso Genro.Segundo o presidente da AMB, Eleuses Vieira de Paiva, faltam critérios objetivos para julgar os pedidos de abertura de cursos, comprometendo a qualidade do profissional. ?Estamos formando médicos sem condições de exercer a profissão, o que põe em risco a saúde da população.?O responsável pela abertura de novos cursos é o Conselho Nacional de Educação (CNE). Segundo o presidente da Câmara do Ensino Superior do conselho, Efrem de Aguiar, a preocupação é verificar o potencial das instituições em oferecer cursos de boa qualidade. ?Não avaliamos a quantidade de profissionais já atuando no mercado.?Parecer favorávelO Estado apurou que os cursos das três universidades já receberam parecer favorável dos técnicos do ministério. O conselho costuma ratificar a posição dos técnicos. A decisão final sobre a abertura dos cursos é do ministro da Educação.A direção da AMB afirma que enviou o pedido ao ministro na quarta-feira, por fax, e-mail e Sedex. Até as 19h30 de quinta, a assessoria de imprensa do MEC não havia localizado o documento. O ministro não estava em Brasília.A UniFMU não quis se manifestar sobre o caso e a Anhembi Morumbi informou que não foi notificada sobre irregularidades no processo. O reitor da Unip, João Carlos Di Genio, não foi encontrado e representantes da instituição não estavam autorizados a comentar o caso.

Agencia Estado,

20 de fevereiro de 2004 | 10h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.