Alunos e funcionários se reúnem na reitoria

Cerca de 300 pessoas estavam na USP para participar da assembleia

Elida Oliveira, Especial para o Estado de S. Paulo

09 Junho 2009 | 11h40

O movimento de alunos e funcionários na frente da reitoria da USP começou nesta terça-feira, 9, por volta das 11h30. Cerca de 300 pessoas estavam no local, entre elas um grupo de 20 funcionários e 25 alunos da Unesp de Assis, que vieram participar do ato do Fórum das Seis (que representa alunos, funcionários e professores da USP, Unicamp e Unesp), marcado para começar no início da tarde.   "Viemos juntar forças com o pessoal, pois as nossas pautas são as mesmas. A principal é o reajuste de salário, queremos um aumento de R$200 mais 17,5%, e reajuste no vale alimentação", disse Milene Almeida, funcionária da biblioteca da Unesp de Assis. Segundo Milena, em Assis, os funcionários estão em greve há seis dias e os alunos apoiam, mas não aderiram à greve.   Osvaldo Coggiola, professor de história da USP, disse que o motivo principal da adesão dos professores à greve é a presença da PM no campus. "Antes, professor não fazia greve. A greve nem estava na pauta da Adusp, mas não aceitamos a PM na universidade e por isso aderimos ao movimento".   Segundo uma funcionária da USP em greve, que não quis ser identificada, a Polícia Militar estava em frente à reitoria nesta manhã, mas saiu com a chegada da imprensa.   Durante a tarde, funcionários, estudantes e professores em greve pretendem fechar o portão principal da universidade, ato conhecido como "trancaço". A assembleia do Sindicato dos Professores da USP (Adusp) estava prevista para as 16h no auditório do curso de Geografia, e as 18h seria a dos estudantes, na reitoria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.