Alunos do Rio entregam ao MPF abaixo-assinado por direito de contestar nota da redação do Enem

Passeata reuniu cerca de 60 estudantes no centro da cidade na tarde desta 4ª

Tiago Rogero, de O Estado de S. Paulo,

02 Janeiro 2013 | 23h14

Cerca de 60 estudantes fizeram uma manifestação na tarde desta quarta-feira, 2, no centro do Rio, para pedir a revisão das provas de redação do Enem 2012. Os jovens querem também a antecipação do “espelho” das provas, para que possam contestar o resultado a tempo das inscrições para o Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que começam em 7 de janeiro e terminam no dia 11.

 

Com cartazes e nariz de palhaço, os manifestantes saíram da Praça XV em direção ao Ministério Público Federal (MPF), a poucos metros de distância, onde fizeram uma representação contra o Ministério da Educação (MEC). “No ano passado, tirei 800 na redação (a nota máxima é de 1.000 pontos). Neste ano me preparei mais e tirei 540”, disse Vanessa Sandall, de 18 anos, que está tentando Direito. Ela contou ter tirado, neste ano, 8 (de 10) na redação da PUC-Rio, e 17 (de 20) na prova da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).

 

O MEC informou que o espelho das provas só vai ser divulgado em 6 de fevereiro. “Até lá, já passaram as principais inscrições”, reclamou Mayra Luiza, de 17 anos, que quer ser geóloga. Os estudantes chamaram a prova de “RedaSENA”, em alusão à, segundo eles, “loteria” que foi a correção.

 

 

No MPF, os jovens entregaram uma cópia da petição online com mais de 9,4 mil assinaturas, de todo o Brasil, que pede a divulgação do espelho rapidamente. “O Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, órgão do MEC responsável pelo Enem) não aceita pedidos de vista ou revisão de provas em tempo hábil para participação efetiva no Sisu”, afirmam os estudantes na petição.

 

Segundo o MPF, o processo será distribuído para um procurador e um procedimento será aberto para apurar o que pode ser feito.

Mais conteúdo sobre:
Enem Redação Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.