Alunos do IFSP protestam contra corte de verba em Sorocaba

Estudantes alegam que o corte já reflete na limpeza das salas de aulas e áreas de convívio dos estudantes

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

03 Setembro 2016 | 11h56

SOROCABA – Alunos do campus de Sorocaba do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP) estão em assembleia permanente contra o corte de verbas para a manutenção dos cursos gratuitos pelo governo federal. Na noite de sexta-feira (2), um grupo estendeu faixas e ocupou a Praça da Bandeira, região central da cidade, em protesto contra os cortes. Na manhã deste sábado (3), estudantes permaneciam em vigília no local. Eles alegam que o corte já reflete na limpeza das salas de aulas e áreas de convívio dos estudantes.

As faixas trazem frases de protesto contra o Projeto de Emenda Constitucional (PEC) 241, em discussão na Câmara dos Deputados, que congela os gastos com a educação. O campus de Sorocaba atende cerca de 300 estudantes e a abertura de novos cursos, que estava prevista, não vai mais acontecer, segundo eles. 

Em nota, o IFSP informou que a redução de 20% nos valores orçamentários para 2017, em relação a 2016, “ obrigará a reitoria a cortar os custos operacionais. “Esses índices obrigam todos os nossos campus e a reitoria a implementarem uma diminuição nos gastos com os cursos operacionais”, informa a nota, acrescentando que isso afetará a vigilância, limpeza, conservação patrimonial, auxílios e bolsas a estudantes carentes.

O IFSP informou ainda que a verba destinada a investimentos, como compra de equipamentos, novas construções e aquisição de livros, será de apenas R$ 3 milhões em 2017, contra R$ 33 milhões deste ano. O Ministério da Educação (MEC) informou ter liberado este ano R$ 81,7 milhões ao IFSP que tem autonomia administrativa e de gestão financeira. Informou ainda que, após a liberação, o MEC não tem qualquer ingerência sobre a aplicação dos recursos.

Mais conteúdo sobre:
Ministério da Educação Sorocaba

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.