Alunos de Medicina da UFRJ entram em greve

Estudantes do câmpus de Macaé protestam contra infraestrutura inadequada

Heloisa Aruth Sturm, de O Estado de S. Paulo,

04 Abril 2012 | 21h00

RIO - No momento em que o governo federal planeja ações para ampliar a oferta de médicos no País, alunos do recém-criado curso de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) em Macaé, no litoral norte fluminense, protestam contra as condições do curso. Desde o início da semana eles estão em greve por tempo indeterminado.

 

Na terça-feira, 3, cerca de 120 alunos estiveram na reitoria, na Ilha do Fundão, para manifestar a insatisfação com as atuais condições de ensino oferecidas no câmpus. Nesta quarta, 40 estudantes permaneciam em frente ao Hospital Universitário da UFRJ e os que retornaram à cidade iniciariam um protesto em frente à Câmara Municipal de Macaé.

 

Os problemas enfrentados no câmpus de Macaé já foram objeto de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), firmado em junho entre a UFRJ e o Ministério Público Federal (MPF) para resolver deficiências estruturais, como a falta de professores e de equipamentos. Entre as obrigações firmadas no TAC estava a implementação de “um projeto de adequação de espaços, como o laboratório de preparação de peças anatômicas, para fornecimento e manutenção permanente de acervo”.

 

Programa

 

Criado em 2007 como parte do Programa de Reestruturação e Expansão da UFRJ, o curso começou há três anos e tem 159 alunos, mas não possui infraestrutura necessária para a integral realização das atividades inerentes ao curso, segundo carta dos alunos.

 

“Algumas dificuldades ainda persistem e a universidade está adotando estratégias para garantir a sua superação”, afirmou o reitor da UFRJ, Carlos Antônio Levi, em nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.