Alunos das estaduais invadem reitoria da Unesp

Depois de uma passeata pela Avenida Paulista, cerca de 80 alunos da USP, Unesp, Unicamp e Fatec ocuparam na tarde desta sexta-feira a sala do Conselho Universitário da Reitoria da Unesp, na Alameda Santos, em São Paulo. O objetivo era pressionar o Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas (Cruesp) a fazer uma reunião com os estudantes.Eles querem garantir, entre outras coisas, reajuste salarial dos servidores, maior destinação de verbas e democracia interna.Houve tumulto e alguns alunos ficaram machucados, depois de um confronto com policiais militares. Os estudantes tentaram bloquear o acesso da PM à manifestação."Não precisavam invadir, estamos sempre abertos a negociar com qualquer pessoa, como já negociamos antes", disse o assessor da reitoria José Afonso Carrijo.Segundo ele, representantes da reitoria estavam em Campinas (SP), em reunião do Fórum das Seis (entidade representativa dos sindicatos e das associações de professores das universidades) e se puseram à disposição para marcar uma reunião.O Fórum das Seis apresentou ao Cruesp uma nova proposta de reajuste salarial de professores e funcionários. A proposta prevê que 90% do repasse às universidade acima do limite de arrecadação do Estado previsto para este ano será aplicado em reposição salarial, explicou o coordenador-geral do Sindicato dos Trabalhadores da Unicamp (STU), João Raimundo Mendonça de Souza.A arrecadação prevista é de R$ 31,2 bilhões e as três universidades estaduais recebem 9,57% do orçamento estadual, lembrou Souza. Segundo ele, os 10% restantes acima do limite iriam para o custeio.Até as 20h00 os reitores ainda não haviam manifestado se acatariam ou não a proposta. Segundo Souza, caso fosse aceita, a greve seria encerrada.Os repasses a partir do excedente previsto de arrecadação serão feitos, conforme propôs o Fórum, em duas vezes, em outubro e em janeiro.

Agencia Estado,

18 de junho de 2004 | 20h16

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.