Alunos da USP encerram greve após 4 meses

Estudantes querem mobilizar as unidades para votar novo indicativo de paralisação dia 20

Estadão.edu,

08 Março 2012 | 22h42

Estudantes da USP decidiram, em assembleia na noite desta quinta-feira, encerrar a greve iniciada há exatos quatro meses. No entanto, eles já marcaram uma reunião para o dia 20, quando será votado um novo indicativo de paralisação. Até lá, o objetivo é fortalecer a mobilização em torno das pautas do movimento, que pede a saída do reitor João Grandino Rodas, o fim do convênio que aumentou o policiamento na Cidade Universitária e a retirada de processos contra alunos e funcionários.

 

A greve começou no dia 8 de novembro, após a operação policial para cumprir mandado de reintegração de posse do prédio da Reitoria. O edifício havia sido invadido por manifestantes contrários à presença de PMs no câmpus do Butantã, na zona oeste. Setenta e duas pessoas foram levadas para a delegacia.

 

Segundo Pedro Serrano, da comissão gestora do DCE, a decisão de hoje foi "tática". "A prioridade agora é aumentar a mobilização interna", disse.

 

Os alvos preferenciais do movimento pró-greve são os quase 10 mil calouros que ingressaram na USP há 15 dias. "Os novos alunos estão bem dispostos a se envolver", acredita Pedro.

 

Até o fim do mês deve ocorrer eleições para o DCE. Atualmente uma comissão tem mandato provisório. Cinco chapas estão na disputa, e apenas uma defende a presença da PM no câmpus.

 

* Atualizada às 23h15

Mais conteúdo sobre:
USPGreve

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.