Alunos da rede estadual de SP poderão reprovar em 3 das 9 séries

Possibilidade de reprovação passa a ocorrer nos 3.º, 6.º e 9.º anos; hoje, os alunos podem repetir nos 5.º e 9.º anos

08 Novembro 2013 | 13h01

O governo do Estado de São Paulo anunciou nesta sexta-feira, dia 8, que vai alterar o sistema de progressão continuada nas escolas estaduais. Serão ampliados de dois para três os ciclos de repetência do ensino fundamental, que passarão a ocorrer nos 3.º, 6.º e 9.º anos a partir de 2014. Hoje, os alunos podem repetir nos 5.º e 9.º anos. 

Há três meses, o prefeito Fernando Haddad (PT) anunciou reforma na educação municipal, aumentando de dois para cinco o número de séries com possibilidade de reprovação. 

O anúncio para a rede estadual foi feito pelo governado Geraldo Alckmin (PSDB) e pelo secretário da Educação, Herman Voorwald. Os dois defenderam que a medida tem sido discutida desde 2011. "(A decisão da prefeitura) não teve nenhum interferência porque isso vem sendo discutido há dois anos com a rede. É fruto de uma longa discussão com os professores", disse Alckmin.

Aumentar o número de ciclos sempre foi uma decisão delicada por receios de aumento nas taxas de reprovação, o que colabora com o abandono escolar. Alckmin também negou que essa seja a ideia. "A reprovação cria na criança a cultura do fracassos. Por outros lado, não pode ficar cinco anos sem ter reprovação. Esses três ciclos me parecem um aperfeiçoamento, a ideia não é reprovar."

Segundo a secretaria de Educação, o debate sobre essa mudança teve início em 2011, quando começaram a ser instaladas as recuperações nas férias escolares e aos sábados.

O governo estadual também anunciou alterações na avaliação dos alunos. A partir de 2014, a avaliação diagnóstica da rede estadual ocorrerá ao final de cada bimestre. Os professores terão de fazer um relatório personalizado de aprendizado por aluno e um cardápio de ações focadas em sanar suas principais dificuldades, segundo a pasta.

Na reforma anunciada por Haddad, o foco na avaliação bimestral também foi um dos pontos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.