Alunos da Cásper Líbero protestam contra demissão de professores

Doente, Edson Flosi foi demitido e, em solidariedade ao colega, Caio Tulio Costa pediu demissão

Juliana Deodoro, Especial para o Estadão.edu,

16 Março 2012 | 18h05

SÃO PAULO - Estudantes da Cásper Líbero realizam um protesto na noite desta sexta-feira para cobrar explicações sobre a demissão de dois professores do curso de Jornalismo. A faculdade demitiu Edson Flosi, que estava licenciado das aulas por causa de um câncer, mas exercia a função de assessor da diretoria. Em solidariedade ao colega, Caio Tulio Costa pediu demissão em 'caráter irrevogável' nesta semana.

A manifestação, marcada pelas redes sociais, estava prevista para começar às 18h, em frente ao prédio da Cásper, na Avenida Paulista. Mais de 330 pessoas haviam confirmado presença no ato até a publicação desta matéria.

De acordo com uma estudante do 4.º ano de Jornalismo, que preferiu não se identificar, a demissão dos dois professores serviu de estopim para reclamar de outros problemas da faculdade. “Tentamos conversar com a diretoria, mas nunca conseguimos”, afirma. Na carta em que explica o pedido de demissão, o professor Caio Tulio citou algumas dificuldades pelas quais passa a instituição. Segundo ele, houve redução do salário dos professores orientadores de TCCs e as salas não comportavam os quase 60 alunos nos cursos matinais do 4.º ano de Jornalismo.

Os estudantes elaboraram a seguinte carta protesto, que deverá ser lida para todos os manifestantes:

"Caros membros da Diretoria da Faculdade Cásper Líbero,

A insatisfação dos estudantes com as condições precárias, tanto estruturais quanto metodológicas, de ensino na Faculdade Cásper Líbero tem crescido a cada ano. Desde nosso ingresso, nos deparamos com problemas que não só foram deixados de lado, mas parecem ter se agravado ao longo do tempo, tais como:

• classes superlotadas e sem infraestrutura apropriada;

• grade curricular inflexível (sem optativas, por exemplo);

• disciplinas antiquadas, redundantes e que não têm relação entre si;

• aumento excessivo da mensalidade sem justificativas e retornos;

• preços abusivos dos serviços (xerox, biblioteca e impressão de documentos);

• falta de convênio com outras instituições de ensino (intercâmbios)

• professores mal preparados.

O estopim nessa sequência de descaso com as expectativas e o apelo dos estudantes, manifestos em avaliações, foi a saída do prof. Caio Túlio Costa da Faculdade.

Não é a primeira vez que os alunos tentam debater e propor soluções aos problemas que a instituição enfrenta. No entanto, nunca obtivemos apoio completo por parte dos órgãos responsáveis pela Faculdade.

Em repúdio à ação pragmática da Cásper Líbero de demitir o prof. Edson Flosi, que se encontrava de licença por causa de uma doença grave e ainda assim exercia funções de assessoria, o prof. Caio Túlio Costa pediu demissão – e nós, agora, também exigimos mudanças.

Não é a primeira demissão injustificada de um professor da instituição, ato que enfraquece o corpo docente, diminui o nível de qualidade do curso e abre uma vaga que quase nunca é preenchida pelo ingresso de outro profissional adequado ao cargo. A mudança de professores de uma disciplina para outra, preenchendo os buracos deixados por essas demissões, é uma medida paliativa e irresponsável.

Essas e outras questões refletem o caráter puramente mercadológico com que a Faculdade Cásper Líbero vem tratando a educação. Sem preocupação com o verdadeiro aprendizado dos estudantes e sem respeito pela carreira dos funcionários, a Cásper se vale de uma imagem consolidada, mas que não lhe diz mais respeito. A antiga excelência no ensino de comunicação que deu à FCL o status que ela tem hoje não condiz com suas atuais precauções, ou com a falta delas.

Ao longo do tempo, a instituição vem desonrando seus próprios princípios e os anseios dos alunos e professores.

Diante disso, esperamos uma posição por parte dos responsáveis pela Faculdade.

Atenciosamente,

Os alunos do 4º ano de Jornalismo matutino."

Mais conteúdo sobre:
Cásper LíberoJornalismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.