Alunos acusam universidade de fraudar Provão

Estudantes denunciaram nesta segunda-feira que a Universidade Bandeirante (Uniban) ?exportou? bons alunos para aumentar a nota do curso de direito do campus de São Bernardo no Provão. Em 2002, o curso recebeu o conceito E ? a pior avaliação ?, enquanto as unidades da capital ficaram com C. ?Quando descobri meu local de prova, achei estranho. Mas não desconfiei de nada, podia ter sido um engano do Ministério da Educação?, afirmou Wladimyr Alves Bitencourt, de 31 anos, aluno da unidade Rudge, zona oeste de São Paulo. Paula, de 30 anos, que pediu para não ser identificada, ligou para a Uniban ao ver que estava registrada como aluna do ABC. ?Disseram que o erro foi do MEC e não podiam fazer nada?, disse. Wladimyr afirmou que encontrou pelo menos dez colegas no ABC. ?Curioso é que só quem tira nota alta foi vítima do ?erro?. Não pode ser coincidência?, disse. A Uniban garante que é. De acordo com sua assessoria, deve ter ocorrido algum equívoco na hora de enviar os dados ao MEC. A instituição informou que não usou nenhuma estratégia para melhorar a nota porque ?não há interesse em modificar o resultado de um exame que está para acabar? e argumentou que o conceito de melhor aluno é subjetivo. Pediu, ainda, 48 horas para esclarecer o caso. Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), Otaviano Helene, é preciso que os estudantes enviem denúncia para o MEC abrir uma investigação. ?As instituições são responsáveis pelas inscrições. Não temos mesmo como fazer o controle de tantos cursos e de tantos alunos.? Projeto ? Helene desmentiu que o MEC pretenda apoiar o projeto do deputado Ivan Valente (PT-SP) que extingue o Provão. Segundo ele, o ministério vai encampar a proposta da comissão criada para estudar mudanças no sistema de avaliação do ensino superior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.