Aluno aponta professor do Christus como responsável por distribuição de simulado do Enem

Professor de prenome Jahilton leciona física na escola cearense que antecipou 14 questões da prova

Carlos Lordelo, Estadão.edu

27 Outubro 2011 | 19h03

Um professor de física identificado no site do Colégio Christus como Jahilton teria sido o responsável por entregar aos alunos uma apostila com 14 questões idênticas às do Enem. Segundo o MEC, as questões haviam sido aplicadas na escola de Fortaleza em outubro do ano passado, na fase de pré-testes do exame - quando são calibradas as dificuldades das perguntas. A Polícia Federal apura se um funcionário do colégio subornou um fiscal do pré-teste para obter cadernos de questões e tirar cópias.

A coincidência de questões fez o ministério cancelar a prova do Enem de 639 alunos do 3.º ano do Christus. Eles terão a opção de fazer uma nova prova nos dias 28 e 29 de novembro, mas sentem-se injustiçados pela decisão do MEC. Na tarde desta quinta-feira, o Ministério Público Federal no Ceará anunciou que vai mover ação civil pública pedindo o cancelamento do Enem em todo o País ou a anulação de 13 questões da prova aplicada no fim de semana.

Jahilton leciona no 3.º ano do ensino médio e no extensivo do Christus. Mensagens postadas por um aluno do colégio no Twitter na noite do sábado já falavam que a apostila entregue pelo professor antecipou 8 das 90 questões do primeiro dia de provas do Enem.

"O Christu mitou. Caiu 8 questões iguais do Enem que tava no nosso caderninho. Valeu Jahilton", escreveu o estudante Gabriel Lobo em sua conta no Twitter (@Gabriiellobo). Minutos depois, em resposta a outro usuário, que pediu para ter seu nome apagado do site do Estadão.edu após a publicação da matéria, afirmou: "(...) o colégio deu um caderninho, que caiu 8 questões iguais no ENEM de hoje. mudaram nenhuma vírgula."

Ontem, dia 26, após a revelação da coincidência de questões pelo Estadão.edu, Gabriel postou, em resposta à Priscila Araújo (@pri_aes), também aluna do Christus: "(...) só quero ver o que o Jahilton vai far amanhã, ja que foi ele que entregou esses cadernos" (sic).

Estadão.edu tentou contato com o estudante Gabriel Lobo no início da noite desta quinta-feira, mas não obteve resposta. Após a publicação desta matéria, a conta do aluno no Twitter foi apagada. Por telefone, também não encontrou o professor Jahilton na unidade do Christus Barão de Studart, na região da Aldeota, em Fortaleza. A reportagem esteve nesta e em outra unidade do colégio, a Nunes Valente, e não localizou o docente. / COLABOROU PAULO SALDAÑA, ENVIADO ESPECIAL A FORTALEZA

 

* Alterada às 16h25 do dia 31/10/2011 para acréscimo de informações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.