Dado Ruvic/Illustraton/Reuters
Dado Ruvic/Illustraton/Reuters

Aflito com seu filho adolescente nas redes sociais? Veja como ajudar

Especialistas dão dicas sobre como lidar tanto com jovens que já estão online quanto com os que vão ganhar o 1º celular

Christina Caron, The New York Times

17 de outubro de 2021 | 05h00

O Wall Street Journal revelou na semana passada que pesquisadores do Instagram passaram anos estudando como seu aplicativo afeta usuários jovens e descobriram que ele pode ser particularmente prejudicial para as adolescentes, notícia que alarmou pais e parlamentares.

Segundo a pesquisa, o Instagram piora os problemas de imagem corporal para uma em cada três adolescentes. E entre os adolescentes que relataram pensamentos suicidas, “13% dos usuários britânicos e 6% dos americanos associaram o desejo de se matar ao Instagram”, relatou o Journal.

O Facebook, dono do Instagram, emitiu um comunicado em resposta, dizendo que “a pesquisa sobre o impacto das redes sociais sobre as pessoas ainda é relativamente incipiente e está em evolução”. O Instagram observou que a mídia social pode ter um “efeito gangorra”, em que a mesma pessoa tem uma experiência negativa em um dia e positiva no outro.

Para alguns pais e mães, as descobertas do estudo não foram uma surpresa, mas levantaram uma questão importante: o que podemos fazer para ajudar nossos filhos a ter uma relação mais saudável com as redes sociais?

Vários especialistas trouxeram conselhos para pais e mães de adolescentes sobre como lidar com as redes sociais, tanto no caso dos filhos que já estão online quanto nos que estão prestes a ganhar seu primeiro celular ou tablet.

1. Não vá de “zero a 100”

Em vez de dar um smartphone para o seu filho e permitir que ele baixe vários aplicativos de mídia social, pense em permitir que, para começar, ele envie mensagens de texto para algum primo ou amigo em um dispositivo compartilhado, sugeriu Devorah Heitner, autora de Screenwise: Helping Kids Thrive (and Survive) in Their Digital World. Pense ainda na idade mais adequada para seu filho começar a usar as redes, levando em consideração sua personalidade, impulsividade e nível de maturidade. Só permita que adicione um app social quando estiver pronto, disse a dra. Heitner, em vez de ir “de zero a 100”.

Se sua filha tem problemas com sua imagem, por exemplo, um aplicativo como o Instagram talvez não seja adequado, disse Jean M. Twenge, professora de psicologia da San Diego State University e autora de iGen, um livro sobre adolescentes e jovens adultos e sua relação com a tecnologia. A dra. Twenge, mãe de três filhos, tem esta regra geral: “Crianças com menos de 12 anos não devem estar nas redes sociais”.

Em 2019, mais de 90% dos 773 alunos do ensino médio pesquisados durante a primeira fase de um estudo relataram que tinham seu próprio smartphone e quase três quartos já haviam começado a usar o Instagram ou o Snapchat, e mais de 40% tinham 10 anos ou menos quando ingressaram.

O Facebook, que está desenvolvendo um aplicativo de Instagram para menores de 13 anos, afirma que o novo app manteria as crianças fora de sua plataforma principal, ao mesmo tempo abordaria questões de segurança e privacidade. 

2. Defina limites

Não é como se uma criança chegasse aos 13 anos e, de repente, estivesse pronta para lidar com todos os problemas que podem vir com uma conta nas redes. Pense nas maneiras menos invasivas de definir limites de tempo e estabelecer uma etiqueta de mídia social, em vez de monitorar constantemente as interações online de seu filho. Tente também parecer solidário em vez de chocado ou punitivo, sugeriu a dra. Heitner.

Quando você decidir que seus filhos estão prontos para ter seu próprio dispositivo, não dê a eles acesso 24 horas por dia, sete dias por semana, disseram as especialistas.

3. Feed

Um estudo de 2016 descobriu que menos da metade dos pais pesquisados discutiam regularmente o conteúdo das mídias sociais com seus filhos adolescentes. Mas os especialistas dizem que é fundamental conversar com seu filho adolescente sobre quem ele está seguindo. A dra. Heitner alertou que os adolescentes precisam ser cautelosos com sites de dietas ou exercícios, porque estes podem “inundar seu feed” e encorajar pensamentos ou comportamentos nada saudáveis. 

Laura Tierney, fundadora e executiva chefe do The Social Institute, uma organização que ensina alunos de todo o país a navegar nas mídias sociais de maneira positiva, aconselha os adolescentes a entender suas configurações de mídia social para descobrir por que certos anúncios aparecem em seus feeds. Comece indo às configurações do aplicativo do Instagram e escolha “segurança” e “acessar dados”. Em “interesses de anúncios”, você pode ver as coisas que o Instagram acha que você gosta, com base em seus dados. Para Tierney, “a maioria dos alunos não faz ideia de que isso existe”.

Ela também sugeriu ajudar seu filho a encontrar verdadeiros modelos de comportamento. “É uma questão de se cercar de influências positivas”, disse ela.

Resumo

Prevenção

Só permita, para começar, que seu filho envie mensagens de texto para algum primo ou amigo em um dispositivo compartilhado.

Limites

Pense nas maneiras menos invasivas de definir limites de tempo e estabelecer uma etiqueta de mídia social, em vez de monitorar constantemente as interações online de seu filho.

Apoio

Ensine seu filho a navegar nas mídias sociais de maneira positiva e ajude-o a entender as configurações para descobrir por que certos anúncios aparecem em seus feeds./Tradução de Renato Prelorentzou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.