Adolescentes ainda não aderem ao iPad

Muito embora o contato com o iPad seja constante, o estudante Luis Guilherme Camargo Vergueiro, de 17 anos, não troca os livros em papel pelos eletrônicos. “Não gostei do e-reader e, para mim, a interatividade é o maior problema do iPad”, conta.

Lais Catassini, Jornal da Tarde

04 Abril 2011 | 18h37

 

Luis é apaixonado por livros como 1984 e A Revolução dos Bichos, de George Orwell e, apesar de estar sempre conectado às novidades tecnológicas, admira os pequenos prazeres da leitura tradicional. “Gosto de ter o livro, de virar a página... Fui acostumado assim. Acho que vou ler dessa forma pelo resto da vida.”

 

Tiago Zanelato, de 17 anos, também prefere o livro físico, mas acha que a pouca variedade de obras é o empecilho para que ele migre para a plataforma. “Se tivesse mais opções acho que eu leria no tablet. Uma vantagem é que tem muitos livros gratuitos já disponíveis”, diz.

 

Leia também

 

- Tablets podem incentivar ou travar a leitura dos mais novos

- Ainda são poucos os títulos de livros digitais disponíveis no País

Mais conteúdo sobre:
Literatura Leitura Tablet iPad

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.