‘A USP não deve ter ensino pago. Isso não passa de mercantilização’

Waldyr Oliva foi reitor na reabertura democrática do País

Bárbara Ferreira Santos, O Estado de S. Paulo

24 Janeiro 2014 | 03h00

Engenheiro civil e matemático, Waldyr Oliva foi reitor na reabertura democrática do País. Responsável pela readmissão de professores exilados pela ditadura, também criou o sistema integrado de bibliotecas.

 

Como foi o processo de readmissão de professores cassados?

Criamos um quadro especial e os anistiados que quiseram retornar fizeram sem a criação formal, pelo governo do Estado, de cargos necessários. Como os cargos representavam uma pequena margem de despesas para cada unidade, as coisas ficaram facilitadas.

 

Havia pressão do governo Maluf, à época, para o ensino pago na USP. Hoje seria possível?

Sou contra a implantação do ensino pago na USP. Isso não passa de uma mercantilização.

 

Quais desafios a USP precisa superar?

Não pode deixar de priorizar seus objetivos que são pesquisa, ensino e prestação de serviços à comunidade.

 

Leia a entrevista na íntegra aqui.

Mais conteúdo sobre:
USP universidade São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.