À espera da Fuvest, candidatos disputam espaço sob guarda-sol

À espera da Fuvest, candidatos disputam espaço sob guarda-sol

Acompanhada pela mãe, pela avó e pelo tio, estudante de Brasília espera na sombra; jovem tentará uma vaga em Nutrição na USP

Bárbara Ferreira Santos, O Estado de S. Paulo

30 Novembro 2014 | 12h39

SÃO PAULO - A movimentação de pais e estudantes na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), no câmpus Butantã, zona oeste da capital, é intensa desde às 11h30 deste domingo, 30. No prédio da Engenharia Civil, candidatos se aglomeram embaixo das árvores e disputam os espaços de sombra, tentando fugir do sol forte. A concorrência é acirrada para ocupar as três mesas em frente ao edifício que possuem guarda-sol.

A família da estudante Sarah Yoshida Arns, de 17 anos, chegou por volta das 11 horas e conseguiu ficar em uma das mesas. Ela e a mãe, a engenheira agrônoma Karla Yoshida Arns, de 48 anos, vieram de Brasília para que a jovem fizesse a prova. Com o objetivo de cursar Nutrição na USP, a jovem, que está no 3º ano do ensino médio, presta também vestibular para a Universidade de Brasília (UnB), Universidade Estadual Paulista (Unesp) e Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Para se preparar para a Fuvest, Sarah usou o treinamento para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que dá acesso a maioria das instituições federais de ensino superior. "A prova da Fuvest é parecida com o Enem. Estudando para um, me preparei para o outro também, complementando com questões de provas anteriores (da Fuvest)", conta.

As duas estavam acompanhadas da avó e do tio da menina. A expectativa da família é grande para o bom desempenho da jovem. A avó, a aposentada Nazareth de Abtru Yoshida, de 76 anos, se preocupou com os lanches e a água da candidata. Já o tio, o professor Carlyle Yoshida, de 49 anos, comprou canetas extras assim que chegou em frente ao local de prova.

Para evitar atrasos, Sarah e a mãe saíram do Distrito Federal nesse sábado, 29. "Nós enfrentamos atrasos no voo. O aeroporto ficou fechado e só embarcamos 4 horas depois. Ainda bem que nos planejamos para chegar antes", conta a mãe. Ela diz que a família já se prepara para deslocar para outros Estados em época de vestibular. "Tenho uma filha mais velha que a Sarah que também passou por isso. A gente já se prepara", diz a mãe.

Mais conteúdo sobre:
fuvest fuvest 2015

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.