Jaqueline Costa Teixeira Caramori
Jaqueline Costa Teixeira Caramori

A avaliação dos egressos do curso de Medicina

Para Jacqueline Costa Teixeira Caramori, professora livre-docente da Faculdade de Medicina da Universidade Estadual Paulista (Unesp), não dá para jogar a culpa de formação do médico no aluno

Entrevista com

Jacqueline Costa Teixeira Caramori

Ocimara Balmant, Especial para O ESTADO

25 de março de 2018 | 03h00

A avaliação dos egressos de Medicina é tema de discussão constante. Em São Paulo, a obrigatoriedade do exame realizado pelo Conselho Regional (Cremesp) já foi parar até na Justiça. Em nível nacional, o governo criou a Avaliação Nacional Seriada de Estudantes de Medicina (Anasem) e até agora aplicou o exame somente uma vez, em 2016.

“O aluno é o produto da escola, tem de ser avaliado, mas o processo não pode se ater a ele”, afirma Jacqueline Costa Teixeira Caramori, professora livre-docente da Faculdade de Medicina da Universidade Estadual Paulista (Unesp). “Temos um número gigantesco de escolas sem estrutura. E não são apenas as recentes. Há muitas tradicionais sucateadas, com falta de profissionais, infraestrutura precária e cenários de ensino inadequados. Não dá para transferir a culpa da formação do médico para o estudante”.

Leia a seguir a entrevista com a professora Jacqueline:

Qual sua opinião sobre avaliar o egresso de Medicina?

Essa questão vem sendo debatida de longa data e encontra uma certa fraqueza em nosso sistema de ensino, que ainda não adotou uma padronização e permite que entidades que não são responsáveis pelo ensino avaliem o estudante. É uma inconsistência do processo avaliativo. Os conselhos e associações médicas deveriam avaliar o médico no mercado de trabalho, fazer exames de renovação de registro, por exemplo. Muitos dos problemas que a população sofre decorrem da falta de atualização e de habilidade dos médicos em determinados procedimentos, mas parece que o alvo é apenas o profissional recém-formado. 

E como deveria ser a avaliação desse egresso?

A educação tinha de estar por conta das escolas e do governo. Não sou contra uma avaliação inserida no decorrer do curso, que não fosse terminal. Fazer só no final da graduação uma prova de teste não permite corrigir a formação do indivíduo para que ele atenda à expectativa da sociedade. Não adianta tirar o título depois de formado. E também não adianta avaliar somente o estudante.

As escolas precisam entrar nessa conta, não é?

É claro. O governo tem responsabilidade quando permite a abertura de escolas e depois não acompanha o trabalho delas. Hoje temos um número gigantesco de escolas sem qualquer estrutura soltando profissionais para o mercado. E não são apenas os cursos recentes. Mesmo as escolas tradicionais estão sucateadas, com falta de profissionais, infraestrutura precária e cenários de ensino inadequados. Não dá para transferir a culpa da formação do médico para o estudante. O aluno é o produto da escola, tem de ser avaliado, mas a transferência total da responsabilidade para o estudante não é correta. Ele é fruto de um processo formativo que leva seis anos e que não se atém só ao conteúdo. A avaliação deveria ser mais ampla.

De que forma?

A Anasem foi realizada em apenas uma edição, em 2016, e trazia o que a gente considera razoável no nível cognitivo e no processo gradual porque o estudante seria avaliado em três provas no decorrer dos seis anos de curso. Mas o cognitivo não é suficiente. A prova deveria avaliar também habilidades e atitudes, fundamental no exercício da profissão. De qualquer forma, foi interrompida. O Inep (órgão do MEC responsável pelas avaliações) não aplicou a prova aos calouros de 2017 e não se fala nada sobre o assunto em 2018. O caminho seria retomar o processo e repensar o modelo. A avaliação precisa ser feita de múltiplas formas, de modo enxergar o egresso por múltiplos ângulos. Só assim saberemos se esse médico está preparado para atender às expectativas da população.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.