Vasily Fedosenko/Reuters
Vasily Fedosenko/Reuters

70% dos alunos brasileiros de 15 anos não sabem o básico de Matemática

Baixo desempenho nacional na disciplina é uma das principais conclusões do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa), aplicado em 72 países

Luísa Martins, O Estado de S.Paulo

06 de dezembro de 2016 | 08h00

BRASÍLIA - Mais de 70% dos alunos brasileiros entre 15 e 16 anos não alcançam sequer o nível básico de proficiência em Matemática, isto é, são incapazes de resolver problemas simples envolvendo números. O baixo desempenho nacional nesta disciplina é uma das principais conclusões do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa, na sigla em inglês), teste aplicado no ano passado em 72 países e divulgado nesta terça-feira, 6, pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

O escore médio do Brasil em Matemática foi de 377, enquanto a média da OCDE ficou em 490. Em uma comparação com outras 13 nações de características socioeconômicas semelhantes às brasileiras - filtro feito pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), do Ministério da Educação (MEC) - o País só ganha da República Dominicana, que ficou com índice de 328. Naquele país, 90% dos alunos de 15 anos não têm conhecimento matemático suficiente para “exercer plenamente sua cidadania”, diz o relatório.

A disciplina de Matemática começou a ser avaliada pelo Pisa em 2003 - desde então, a cada três anos, o Brasil teve ganho médio de 6 pontos. A OCDE considera isso positivo, mas, por outro lado, o dado mais recente preocupa: de 2012 para cá, a queda foi superior a 11 pontos. A diminuição é considerada estatisticamente relevante pelos pesquisadores.

Entre os Estados brasileiros, o que obteve a melhor nota foi o Paraná (406), mas a taxa de resposta do Estado exigida pelo exame não foi cumprida, "prejudicando a análise fidedigna" dos dados. A melhor nota que aparece em seguida é do Espírito Santo, com nota 405.  Alagoas amargou a pior (339) nota. Cerca de 43% dos alunos brasileiros da amostra estão abaixo do nível 1 - para o qual a OCDE nem especifica as habilidades envolvidas, de tão precárias.

O Pisa também avalia as habilidades dos estudantes em leitura e em ciências. Em ambas as disciplinas, os resultados permanecem estagnados desde o início da série histórica, em 2000 e 2006, respectivamente. Isso significa que não houve aumento ou diminuição estatisticamente importantes durante o período.

Em Ciências, mais de 56% dos alunos brasileiros entre 15 e 16 anos só conseguem resolver questões de baixa exigência cognitiva. O escore médio nacional neste quesito é de 401 pontos, bem abaixo da média da OCDE, de 493. No ranking de 14 países elaborado pelo Inep, o Brasil só está à frente do Peru (397) e, novamente, da República Dominicana (332). Assim como em Matemática, Alagoas é o Estado com pior nota (360). O Espírito Santo levou a melhor, conquistando 435.

Leitura foi a mais satisfatória. Entre as três avaliações, a competência de leitura foi a mais satisfatória para o Brasil perante a média da OCDE. A nota média dos países-membros da organização foi de 493, enquanto a média nacional resultou em 407.

No entanto, 51% dos estudantes pesquisados estão abaixo do nível considerado aceitável para o exercício da cidadania: não conseguem, por exemplo, reconhecer a ideia principal ou interpretar fatores implícitos de um texto. As discrepâncias entre os Estados são altas: no Espírito Santo esse índice é de 46,7%, enquanto em Alagoas ultrapassa os 70%.

Assim como em Ciências, o Brasil está em antepenúltimo lugar entre os 14 países de realidades semelhantes, segundo o Inep: seu desempenho é melhor apenas que o do Peru (398) e o da República Dominicana (358). A habilidade em leitura é a única, entre as três, em que as meninas têm escores melhores que os meninos.

Perfil. Participaram do Pisa, no Brasil, 23.141 estudantes em 841 instituições de ensino municipais, estaduais, federais e privadas. Só responderam ao teste alunos entre 15 e 16 anos cursando, no mínimo, o 7º ano do ensino fundamental (a defasagem idade-série no País é de 19%, segundo dados do ano passado). A maioria dos pesquisados era do sexo feminino, matriculada no ensino médio na rede estadual, em escola localizada em área urbana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.