Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

4 em cada 10 professores já ajudaram alunos com problemas na internet

Dados são de pesquisa divulgada pelo Comitê Gestor da Internet; é mais comum escola agir diante de problemas do que desenvolver ação preventiva, diz coordenadora do estudo; 2/3 dos docentes estimulam alunos a debater problemas na rede

Júlia Marques e Paula Felix, O Estado de S. Paulo

22 Agosto 2018 | 12h14

SÃO PAULO - Adolescentes estão na internet o tempo inteiro, mas em um colégio de São Paulo escolheram um dia só para debater o mundo virtual. Formado no Dante Alighieri, na região central da cidade, um comitê de alunos do ensino médio e uma professora se reúnem semanalmente para discutir temas complicados da rede, como privacidade de dados e cyberbullying. “Eles trazem o olhar deles e me atualizam sobre o que está acontecendo”, diz a professora Valdenice Minatel, diretora de tecnologia da escola. 

A atividade no Dante não é o único exemplo. Dados da pesquisa TIC Educação, divulgada nesta quarta-feira, 22, pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), mostram a preocupação de escolas e professores com o tema. O estudo aponta que 40% dos professores brasileiros já ajudaram alunos a enfrentar situações problemáticas ocorridas na internet como bullying, discriminação, assédio e disseminação de imagens sem consentimento. E, segundo a pesquisa, a maioria dos professores (56%) já promoveu debates com os alunos sobre como usar a internet de forma segura; e 66% estimularam os alunos a debater os problemas na internet.

Segundo Daniela Costa, coordenadora da pesquisa, as escolas particulares desenvolvem mais atividades para lidar com essas situações, mas, tanto na rede particular quanto na pública, as ações são mais ligadas a atuar diante de problemas do que em iniciativas preventivas.

“Perguntamos se, no último ano, a escola tinha realizado algum debate e os porcentuais foram menores do que se a escola tinha realizado esse tipo de atividade em algum momento. Pode ser que essas ações ainda sejam pontuais, não estejam integradas e ocorram quando algo acontece na escola”, afirma ela. 

No caso do Dante, o comitê com alunos ajuda o próprio colégio a pensar sobre o tema. “O Parlamento francês foi favorável a tirar o celular das escolas (em julho deste ano) e aqui nós debatemos sobre isso”, exemplifica Eduardo Candeias, de 15 anos. “Tentamos conscientizar as pessoas de que o celular pode ser, sim, uma ferramenta com bom uso.” Outra discussão é sobre as pegadas deixadas na rede. “Falamos sobre rastro digital. Eles estão construindo a própria biografia agora. E o que se faz hoje nunca será apagado da internet”, diz a professora Valdenice. 

No Colégio Bandeirantes, na zona sul, as informações sobre ciberbullying e demais problemas do ambiente virtual são discutidos dentro da disciplina Convivência em Processo de Grupo (CPG) e os profissionais da escola são capacitados para acolher alunos que viverem esse tipo de situação. 

“A gente tem um trabalho preventivo e de intervenção. Na disciplina, falamos sobre valores e ajudamos o aluno a reconhecer caso isso aconteça com um colega”, diz Beatriz Kohlbach, professora e integrante do CPG. Beatriz afirma que a proposta também inclui não punir a vítima. “Tentamos trazer respeito, valores e o lado humano. Não podemos culpar a vítima. De maneira nenhuma, a gente deixa a situação acontecer.” 

Comportamento em sala de aula

A conectividade dos estudantes também tem alterado o comportamento em sala de aula. De acordo com a pesquisa, 29% dos professores já receberam trabalhos ou lições pela internet, 42% tiraram dúvidas dos alunos online e quase metade (48%) colocou o conteúdo das disciplinas na internet.

A variedade de plataformas de acesso, no entanto, ainda é um desafio. O levantamento mostrou que um quinto dos estudantes tem acesso à internet apenas por meio de celulares, o que pode ser prejudicial para a formação. “Justamente nas classes mais pobres ocorre esse uso. As atividades digitais mais complexas não podem ser realizadas só pelo celular. Existe a necessidade de oferecer o acesso a múltiplos dispositivos, que permitem a realização de atividades mais complexas”, explica Alexandre Barbosa, gerente do Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação (CETIC.br). 

Disparidades de conexão entre escola urbana e rural

A conexão de estudantes e professores é desigual quando são comparadas as áreas rurais e urbanas. A pesquisa TIC Educação, que passou a entrevistar no ano passado as instituições rurais, aponta que, entre elas, só 36% tinham acesso à internet. Quase metade dessas escolas (48%) apontou a infraestrutura de acesso como motivo para não usar a internet e 28% destacaram o alto custo da conexão.

“Vimos uma incorporação crescente da internet nas escolas urbanas e é preciso desenvolver medidas para dar as mesmas oportunidades a estudantes que vivem em áreas rurais. A pesquisa mostra que os dispositivos estão presentes e estão sendo usados. O papel do governo talvez seja o de desenvolver outras habilidades, que não são cobertas pelas mídias móveis, como aprender a lidar com programação”, diz Fábio Senne, coordenador-geral de pesquisas do Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação (CETIC.br).

O estudo TIC Educação coletou dados de 957 escolas localizadas em áreas urbanas e realizou 1.481 entrevistas com diretores ou responsáveis pelas instituições de ensino localizadas em áreas rurais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.