Eduardo Munoz/REUTERS
Eduardo Munoz/REUTERS

34% dos brasileiros que fizeram cursos online tiveram melhora na carreira

Brasil é o 4º país com o maior número de usuários da plataforma Coursera, que oferece cursos de 120 instituições de ensino

Isabela Palhares, O Estado de S. Paulo

12 Outubro 2015 | 10h00

Entre os brasileiros que fizeram ao menos um curso online pela plataforma Coursera, que oferece cursos gratuitos de 120 instituições de ensino do mundo, 89% relatou ter tido desenvolvimento profissional, desses 34% disse ter tido algum benefício tangível,  como conseguir um novo emprego, receber um aumento salarial ou ser promovido.

Fundada há quatro anos, a Coursera é uma plataforma aberta de ensino online com 15 milhões de usuários. O Brasil é o quarto país com o maior número de alunos - 650 mil, atrás apenas dos Estados Unidos, China e Índia. São amis de 1300 cursos oferecidos pelas melhores instituições de ensino do mundo, como Yale, Universidade de Londres, Universidade de Roma-La Sapienza, Universidade de Tokyo e as brasileiras Universidade de São Paulo (USP) e Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

A pesquisa levou em conta as respostas de 52 mil pessoas que completaram ao menos um módulo do Coursera. Dentre os 89% de brasileiros que relataram ter tido melhora no desenvolvimento profissional, 68% disseram estar mais preparados para o atual emprego, 25% encontraram um novo emprego e 10% abriram um negócio próprio. Entre os entrevistados, 3% receberam aumento e 2% foram promovidos.

“Fundamos o Coursera há quase quatro anos com o objetivo de transformar vidas por meio da expansão do acesso ao melhor da educação global”, explica Daphne Koller, cofundadora e presidente do Coursera. “Com o resultado dessa pesquisa, começamos a ver o impacto positivo que cursos abertos online já estão tendo na vida de tantas pessoas ao redor do mundo, principalmente entre aqueles buscando um impulso em suas carreiras". 

Resultados globais. Os resultados gerais da pesquisa mostraram que os brasileiros tiveram uma percepção de que os cursos online trouxeram mais benefícios do que os estudantes de outros países. Enquanto no Brasil, 89% disseram ter tido desenvolvimento profissional e 92%, desenvolvimento educacional, o resultado global foi de 72% e 61%, respectivamente.

"É Ainda mais interessante o fato de que benefícios tangíveis  [na esfera profissiona] estão sendo verificados em um nível ainda maior entre os estudantes de países emergentes, de níveis socioeconômicos mais baixos, e com formação educacional não tradicional, o que mostra que os MOOCs (Massive Open Online Courses) estão conseguindo ajudar aqueles com grandes necessidades”, conclui Daphne.

Mais conteúdo sobre:
educaçãocurso onlinecoursera

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.