31% param de estudar ao terminar o ensino médio

O IBGE constatou, na Síntese de Indicadores Sociais referente a 2008, que aumentou o porcentual de jovens de 18 a 24 anos com 11 anos de estudo – ou seja, com o ensino médio completo – que não estão estudando. Em 2006, eram 29,2%; em 2007, 30%; e em 2008, 31,8%.   Para o pesquisador Cláudio Moura e Castro, especializado em educação, esses números se devem ao aumento de graduados no ensino médio, mas não é nem positivo nem negativo.   A síntese também apontou, na área educacional, a permanência de fortes desigualdades entre negros e brancos no País. No ano passado, os brancos tinham, em média, 8,3 anos de estudo, quase 2 anos a mais do que os pretos e pardos (6,7 e 6,5 anos, respectivamente).   Dois terços dos jovens brancos e menos de um terço dos pretos e pardos cursavam o nível superior. A proporção de pessoas de 25 anos ou mais com universidade concluída era de 14,7% entre os brancos e de 4,7% entre os pretos e pardos.   Mesmo assim, a pesquisa aponta que houve melhora na distribuição da frequência por níveis de ensino entre a população de cor preta e parda. Em 1998, um terço dos brancos de 18 a 24 anos já frequentavam o ensino superior, contra 7,1% dos pretos e pardos. Em 2008, os pretos e pardos no ensino superior já eram 28,7%, mas os brancos tinham chegado a 60,3%. No ano passado, só 3,8% da população preta e parda havia concluído o ensino superior.   A desigualdade também ocorre em outras áreas. No 1% da população com maior renda, só 15% era formada por pretos e pardos – 82,7% eram brancos. Já entre os 10% com a menor renda, 25,4% se declararam brancos e 73,7%, pretos e pardos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.